José de Arimatéia PDF Imprimir E-mail

  Tarciso S. Filgueiras

            José de Arimatéia é uma daquelas personagens enigmáticas e contraditórias do Novo Testamento. Ele conversou com interlocutores, executou diversas ações significativas, porém não há registro de uma única palavra que tenha proferido. No entanto, sobre ele são ditas muitas coisas. Afinal, quem era esse homem?

            Sabe-se que seu nome era José, provinha de um lugar chamado Arimatéia, "cidade dos judeus", era simpatizante do movimento liderado por Jesus, mas não queria que este fato se tornasse público, "por medo dos judeus" (Jo 19:38). Sabemos, sobretudo, que era "ilustre membro do Conselho"(Mc 15: 43), "um homem rico" (Mt 27: 57) e, sem dúvida, "bom e justo" (Lc 23:50). Pelo menos duas destas credenciais o qualificam para membro do partido dos Saduceus que dominava, numericamente, o Sinédrio. Como membro desse aristocrático partido, deveria ser também proprietário de terras e, pertencer àqueles 15 por cento mais ricos da população. Abastado, com prestígio dentro da comunidade judaica e junto ao establishment romano, José gozava de posição social, econômica e política bem acima da média. Um homem de prestígio. Por isso, certos relatos sobre ele não são facilmente explicáveis.

            Naquela fatídica Sexta-feira em que Jesus foi crucificado, quando já caía a tarde, José procurou Pilatus e fez-lhe um estranho pedido. O evangelista diz que ele adentrou o palácio ousadamente e, chegando onde o governador estava, "pediu-lhe o corpo de Jesus" (Mc 15: 43). Assim, ex abrupto. José entrou no palácio com a desenvoltura de quem está habituado ao poder, como quem sabe onde pisa. Aqui aparecem várias contradições que merecem certo escrutínio.

Já que ele era discípulo "secreto"de Jesus, como se atreveu a pedir o corpo do Mestre ao seu próprio algoz? Isto seria o mesmo que se declarar aliado do crucificado, simpatizante daquele que estava sendo punido por crime de sedição contra Roma! No entanto, Pilatus não achou esse pedido estranho, nada questionou. Informado de que o crucificado já estava morto, aquiesceu ao pedido. José chegou, pediu, ganhou, levou. Tudo muito rápido, expedito, clean. Por que Pilatus concordou tão rapidamente? Teria José subornado o facilmente subornável Pilatus? Certamente esta é uma possibilidade. A cultura do suborno é antiga e já foi comentada por mim neste mesmo contexto, neste Portal.

Causa também certa estranheza ver um membro do Sanhedrin, a mais alta instância religiosa em Israel, entrar em contato direto com um gentio, na véspera do Sábado! Contatos com estrangeiros tornavam o judeu ortodoxo impuro e José deveria estar puro para poder celebrar o Shabat no dia seguinte. Convém recordar aqui um fato muito esclarecedor, ocorrido pouco antes da crucificação de Jesus. Certos dignitários judeus, entre eles membros do Sinédrio, apesar de precisarem conversar com Pilatus, recusaram-se a entrar no Pretório, onde este se achava. O imbróglio chegou a tal ponto que Pilatus teve que ceder e sair do prédio e ir "ao encontro deles" (Jo18:28-29). Isto ocorreu porque esses homens não queriam se contaminar para poder comer a Páscoa, que se aproximava. Tendo esse fato em mente, é forçoso admitir que, ao entrar destemidamente no palácio de Pilatus, Arimatéia foi mais que ousado. Foi temerário e transgressor dos costumes de seus pares e de seus ancestrais. Algo muito sério motivara essa quebra de paradigma.

            Obtida a permissão de Pilatus, o texto de Marcos ganha novo alento. O evangelista dispara numa narrativa apressada, quase aos galopes. Segundo ele (Mc 15: 46), José comprou "um lençol, desceu Jesus, enrolou-o no lençol e o pôs num túmulo que fora talhado na rocha. Em seguida, rolou uma pedra, fechando a entrada do túmulo". Marcos parece ter pressa, por isso, talvez tenha condensado, em demasia, ações tão distintas quanto complexas. Vamos desacelerar um pouco, para examinar algumas delas mais de perto.

A descida da cruz já foi comentada por mim, aqui neste Portal. De imediato, José comprou um lençol de linho, por definição, um tecido fino, leve e caro. Provavelmente, ele comprou mais que o lençol, pois alhures (Jo 20:6-7) João informa que, no sepulcro, foram encontrados "os panos de linho" e o "sudário que cobria a cabeça de Jesus". Provavelmente, todas essas peças fossem compradas em conjunto, como parte de um "burial kit" para pessoas de cabedal, disponível em algum lugar de Jerusalém.

            José deve ter sido um homem extraordinariamente forte e saudável, pois, depois de fazer tudo isso, depositou Jesus no túmulo e fechou a entrada, rolando uma grande pedra. Considerando-se que ele era "membro ilustre do Conselho", é razoável supor que não fosse jovem, já que do Conselho participavam homens maduros e experientes e não jovens em pleno vigor de suas forças físicas. Mesmo assim, Marcos e Mateus afirmam que ele "rolou" a pedra que bloqueava a entrada da caverna. Esta pedra é descrita como "grande". De fato, remover essa pedra grande tinha sido a principal preocupação das santas mulheres naquela manhã de Domingo, enquanto se dirigiam ao túmulo de Jesus: "Quem rolará a pedra da entrada do túmulo para nós?" (Mc 16: 3). Se três mulheres, juntas, achavam que não conseguiriam rolar uma pedra, esta deveria ser, realmente, avantajada. No entanto, o robusto José, membro do Conselho de Anciãos, conseguiu...

            No evangelho de João, há uma indicação de que o "jardim" onde estava o túmulo pertenceria ao próprio José de Arimatéia. Este jardim seria, na verdade, um horto ou pomar. Uma propriedade rural, onde se cultivavam oliveiras, figueiras e outras árvores frutíferas próprias da região mediterrânea. Ali José mandara cavar um túmulo novo, na rocha viva. Trabalho braçal e artesanal, já que a dinamite ainda não fora inventada.

Disso tudo conclui-se que Jesus foi levado ao túmulo às pressas, numa tarde de sexta-feira, quando "o sábado começava a luzir" (Lc 23:54). O túmulo ficava numa propriedade particular, nas terras de um rico Saduceu, "membro ilustre do Conselho", que o admirava "secretamente". Mesmo morto Jesus mostrava que tinha boas conexões. Havia pessoas de posses e poder que o protegiam, zelavam pelos seus interesses maiores. O misterioso homem de Arimatéia era uma delas.

Bibliografia

  • - Azevedo, A.C. A. & Geiger, P. Dicionário histórico de religiões, R. de Janeiro, Ed. Nova Fronteira,2002.
  • - Bíblia de Jerusalém, São Paulo, Ed. Paulus, 2002.
  • - Filgueiras, T.S. Ensaio sobre Jesus: Revelando o homem. São Paulo, Livro Pronto, 2ª ed., 2006.
  • - Le Moyne, J. Les sadducées. Gabalda. 1972.
  • - Thiering, B. Jesus the man, Corgi, 1978.
  • - Vermes, G. O autêntico evangelho de Jesus. Tradução de R. Aguiar, Ed. Record, 2006.
Trackback(0)
Comentarios (6)add
...
escrito por Aíla , 29 março 2007
Olá
Parabéns por mais um artigo.

Para outras leituras sobre José de Arimatéia recomendo:

http://www.mphp.org/forum/inde...sg38#msg38


report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
Jose de Arimateia
escrito por Tarciso Filgueiras , 30 março 2007
Obrigado, professora! Suas sugestões de leitura são ótimas e certamente ajudarão a quem se dispuser a lê-las a ter uma compreensão mais aprofundada do assunto.
Tarciso.
report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
...
escrito por Aíla , 30 março 2007
Olá
O Professor aqui é o Sr Tarciso, com tantos anos de magistério, eu estou apenas engatinhando.
Quero deixar bem claro que respeito seu trabalho no âmbito do Jesus Histórico.
Se eu comento seus artigos, em primeiro lugar é porque os leio e faço isso com muita atenção e respeito. Apenas quero dar ao público outras leituras possíveis para que as pessoas possam fazer o discernimento entre várias alternativas.
Continue publicando.
Minhas considerações.
Aíla
report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
complementado Aíla
escrito por Tarciso Filgueiras , 03 abril 2007
Olá, Aila!
Claro que entendo isso. Estou acostumado ao debate acadêmico e a coisa é assim mesmo. Lamento não poder responder a cada comentário. Se nao o faço não é porque nao os acho válidos. É falta de tempo, mesmo. Mas, no futuro, pretendo fazer um comentário geral, sem citar nomes. Aliás, acho seus comentários pertinentes e bem-vindos. Estou aguardando uma enxurradas deles sobre o proximo artigo a ser postado (no sab. ou no domingo da ressurreição).
Meus artigos pretendem oferecem uma leitura distinta da usual, por isso nao são ortodoxos. Portanto, visões diferentes são sempre bem vindas. Entendo que a HPMP quer ser um forum de debates e nao local para se fazer proselitismo, de qualquer gênero...
Aliás, gostaria muito de ler artigos seus. Mulheres teólogas sao tão raras quanto perspicazes!
Saudações,
Tarciso.
report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
artigos
escrito por Aíla , 04 abril 2007
Bem, Sr Tarciso, no momento estou muito envolvida com minha tese de doutorado. Mas admito que estou em dívida para com vocês. Talvez eu consiga algum tempo e aí escreverei alguma coisa, nao muito ortodoxa, como sempre, pois nao é este o meu estilo, apesar de ser uma crista convicta. (Desculpem este teclado nao tem a tecla "til" e nem "cedilha"). O que posso fazer, por enquanto, é comentar os seus artigos, pois, para mim, isto é uma honra. Aguarde a próxima enxurrada, entao.
Abracos
report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
José de Arimateia
escrito por Jesus Barreto , 05 outubro 2007
Quero parabenizar pelo otimo artigo e só fazer uma resalva: quando se faz alguma reportagem sobre os governadores ou prefeitos e etc não diz: O governador da Bahia construiu um Hospital ou uma ponte no Rio São Francisco!!! Não foi ele que construiu, mas por ser alguém importante, se diz que foi ele!!!!!José deve ter mandado seu empregados é claro!!!!!Parabéns!!!!!!!!!!!!!!esse comentario não é nada de mais, é só para enriquecer!!!!!!Fica com Deus!!
report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

security image
Escreva os caracteres mostrados


busy
 
< Anterior   Seguinte >

Recomendar a MPHP

Fala para um amigo Seu nome:

Seu e-mail:

E-mail do seu amigo: