Sócrates e A Democracia Daqueles Que Sabem PDF Imprimir E-mail

Mário Porto


Julgamento de Socrates Nenhum outro julgamento, além do de Jesus, deixou uma impressão tão forte na imaginação do homem ocidental quanto o de Sócrates.


Tanto Jesus como Sócrates imortalizaram-se através do martírio. No caso de Sócrates, porém, nem mesmo o martírio teria bastado. Sócrates nada escreveu. Se tivesse sido absolvido ou morrido uma morte tranquila, de velhice, Sócrates talvez fosse lembrado agora como uma figura menor e excêntrica do mundo ateniense, alvo preferido dos poetas cômicos.

Foi Platão que criou o Sócrates de nossa imaginação e até hoje é impossível determinar até que ponto esta imagem corresponde ao Sócrates histórico e até que ponto é produto do gênio criativo de Platão. A busca do Sócrates histórico, como a do Jesus Histórico, continua a gerar uma literatura cada vez mais imensa, um vasto mar de especulações e polêmicas eruditas.

O que sabemos de Sócrates foi através de contemporâneos seus. Além dos relatos de Platão e Xenofonte temos o retrato delineado nas comédias de Aristófanes, que era amigo de Sócrates e dedicou toda uma peça, As nuvens, ao personagem Sócrates e o menciona também em outras peças que chegaram até nós.

Podemos captar algo de Sócrates também em escritos duas gerações depois, através de Aristóteles, seu maior discípulo. Aristóteles tem inúmeras divergências com Platão.

Assim, temos um Sócrates xenofônico, um Sócrates platônico, um Sócrates aristofânico e um Sócrates aristotélico.

O conflito entre Sócrates e sua cidade natal teve início porque havia divergências profundas entre ele e a maioria dos atenienses de sua época. Sócrates não defendia nem a oligarquia e ao contrário do que muitos se iludem, nem a democracia. Segundo Xenofonte, Sócrates não defendia o poder exercido nem pela maioria nem pela minoria e sim por "aquele que sabe".

Sócrates costuma dar o exemplo de um navio onde quem governa é "aquele que sabe" e o proprietário e todos os passageiros, obedecem àquele que sabe.

Do mesmo modo argumenta Sócrates, "na agricultura, os proprietários; na doença, os pacientes; no treinamento, os atletas apelam para os peritos, "aqueles que sabem", para obedecer a eles e fazer o que deve ser feito.

Um democrata grego poderia argumentar que o proprietário do navio, o paciente, o proprietários de terras e o atleta tinham liberdade de escolher os peritos, e, se estes se revelassem insatisfatórios podiam ser dispensados e substituído por outros, caso contrário, por detrás da fachada daquele que sabe ocultava-se a face da tirania. O problema não era apenas encontrar o perito adequado, mas dispor de meios de se livrar dele caso ele se revelasse mau.

Sócrates propunha que caba ao governante dar ordens e cabe aos governados obedecer. O que Sócrates não diz é mais importante do que o que ele diz. Ele jamais afirma que os cidadãos têm o direito de livra-se de um governante que rejeita bons conselhos e mata aquele que oferece.

Sócrates raciocina como um monarquista leal. Na época de Sócrates, a monarquia já desaparecera das cidades gregas e só sobrevivia entre os bárbaros ou em regiões como a Macedônia.

Se você leitor da MPHP, quiser se aprofundar mais nas circunstâncias que rodearam o julgamento de Sócrates em 399 AEC, e descobrir o que realmente estava por trás da condenação e morte do filósofo numa sociedade que prezava tanto a livre expressão como a ateniense, recomendamos este livro mostrado na imagem em cuja introdução este texto foi baseado.

Fonte: I. F. Stone "O Julgamento de Sócrates", Companhia das Letras, 1988.


Primeiramente Publicado em:
https://www.facebook.com/ConversandoSobreHistoria


Palavras-Chaves: Sócrates, Xenofonte, Platão, Aristósteles, Julgamento de Sócrates

Trackback(0)
Comentarios (0)add
Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

security image
Escreva os caracteres mostrados


busy
 
< Anterior   Seguinte >

Recomendar a MPHP

Fala para um amigo Seu nome:

Seu e-mail:

E-mail do seu amigo: