Sociedade, Progresso e Educação PDF Imprimir E-mail

Mário Porto 

Nestes tempos de PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) do Governo Federal eu me pergunto por que as autoridades deste país estão equivocadas há tanto tempo?

Falam em crescimento econômico como se o aumento do PIB por si só resolvesse todos os problemas deste país. Como se no dia seguinte, do anúncio de um crescimento de 5% no último ano, num passe de mágica, as pessoas respeitassem mais os direitos dos outros e demonstrassem comportamentos sociais compatíveis com este desenvolvimento.

As pessoas na nossa sociedade desrespeitam diuturnamente as regras mais simples de convivência. Uma simples placa em uma fila do supermercado limitando o número de volumes em determinados caixas nunca impede que os idiotas que se julgam mais espertos dos que os demais se aproximem com os carrinhos repletos de volumes e assim levar vantagem.

E ninguém fala nada.

Se você for ao gerente e fizer uma reclamação será rotulado de chato, já passei por esta triste experiência.

Este é o país da lei que pega e da lei que não pega.

Exemplos como estes angustiam o dia-a-dia de cada cidadão que, por ter o  privilégio de ter dito uma educação paterna que ensinava o respeito aos demais vive neste país imaginando ter nascido no local errado.

Planejam Submarinos Nucleares e nossas escolas não possuem nem bancos, nossos hospitais públicos não dispõe dos medicamentos básicos para um atendimento de emergência e para receber os cidadãos com dignidade.

Eu não acredito que existam governantes do mal. Em principio, todas as pessoas que atingem os elevados postos da república entram imbuídos de desejos de trabalhar em benefício da sociedade.

Porque não enxergam coisas óbvias?

Quais as forças que ofuscam seus olhos e mentes?

Talvez existam muitas respostas para esta pergunta; o dinheiro, o capital, as relações internacionais, os compromissos, os lobbies e uma infinidade de outras razões podem ser apontadas.

Não vou aqui indicar um motivo para a diferença entre o discurso e a prática dos políticos brasileiros, mas não tenho dúvida que a saída é pela educação, mas não na retórica, em ações concretas.

As estatísticas apontam que menos mil dos 5.560 municípios brasileiros estão em situação crítica em termos de educação, e apenas 200 podem ser considerados excelentes.

Agora eu pergunto que excelência é esta? Estão formando matemáticos, literatos, cientistas?

Sim precisamos formá-los, mas no Brasil, diferentemente, de países como a Coréia do Sul, a China e a Índia, temos também que olhar para a preparação do homem e sua atuação em sociedade, a formação de cidadãos.

Com os vícios que a nossa Sociedade vem adquirindo por décadas durante o século 20 seria necessário um choque na educação, mas não um choque convencional, falo de uma mudança que gerasse fluxo no sentido inverso, filhos educando pais.

Com isto em mente, e dai a minha estupefação e indignação, não precisa inventar a roda.

O Governo brasileiro trata o crescimento econômico e o problema da educação como questões distintas esquecendo-se de que elas estão intimamente ligadas.

Os governos chinês e indiano entendem que a educação em um país interfere definitivamente em sua economia. Assim optaram por investir na educação de suas crianças e em projetos de pesquisa em ciência e tecnologia. Os investimentos foram maciços tantos nas regiões urbanas como no campo.

Para termos um choque na educação, precisaríamos aumentar a participação da educação no PIB, hoje em menos de 5%, até chegar a 10% em cinco anos, para então ficar nesse patamar por algum tempo. Foi o que a Coréia do Sul fez. Investiu entre 8% e 10% de seu PIB em educação por uns dez anos.

As pessoas que viveram o último terço do século 20 no Brasil se acostumaram com um jargão gerado por uma propaganda televisiva que mostrava muito bem a  mentalidade vigente na Sociedade e por isso pegou. Quem não se lembra lei do Gerson que com o tempo entrará para o rol daqueles termos folclórico em que os estudiosos da semântica incluem nos dicionários de origem das expressões idiomáticas.

Esperemos que, esta sim, seja uma lei revogada e que faça parte do rol daquelas que não pegam.

Trackback(0)
Comentarios (0)add
Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

security image
Escreva os caracteres mostrados


busy
 
< Anterior   Seguinte >

Enquete

Você Aprova a Construção de Submarinos Nucleares Pelo Brasil?
 

Recomendar a MPHP

Fala para um amigo Seu nome:

Seu e-mail:

E-mail do seu amigo: