Humanismo Secular PDF Imprimir E-mail
O Que É Humanismo Secular.

Humanismo Secular é um termo que vem sendo usado nos últimos trinta anos para descrever uma visão do mundo com os seguintes elementos e princípios:

  • Uma convicção de que dogmas, ideologias e tradições, sejam religiosas, políticas ou sociais, devam ser consideradas e testadas individualmente e não aceitas pela fé.
  • Um compromisso com o uso da razão crítica, da evidência factual e dos métodos científicos em substituição à fé e ao misticismo, na procura das soluções dos problemas humanos e nas respostas às importantes questões humanas.
  • Uma preocupação prioritária com a realização, crescimento e criatividade tanto para o indivíduo como para a humanidade em geral.
  • Uma constante busca pela verdade objetiva, dentro do entendimento que novos conhecimentos e a experiência, constantemente, alteram nossa percepção imperfeita dessa verdade.
  • Uma preocupação com essa vida e um compromisso de fazê-la significativa através de uma melhor auto-compreensão, da compreensão de nossa história, nossas realizações culturais e artísticas e da perspectivas daqueles que diferem de nós.
  • Uma procura por principios viáveis, individuais, sociais e políticos de conduta ética, considerando-os por sua capacidade de elevar o bem-estar humano e as responsabilidade individuais.
  • Uma convicção de que através da razão, um mercado aberto de idéias, boa vontade e tolerância, pode-se obter a realização de progressos na construção de um mundo melhor para nós e nossos filhos.
Humanismo Secular X Religião e X Sobrenatural?

O Humanismo Secular aceita uma visão do mundo ou filosofia denominada naturalismo, na qual as leis físicas do universo não são suplantadas por entidades não-materiais ou sobrenaturais tais como demônios, deuses, ou outros seres "espirituais" fora do reino do universo natural. Eventos sobrenaturais tais como milagres (no qual as leis físicas são afrontadas) e fenômenos psiquicos, tais como PES, telecinética, etc., não são descartados automaticamente, mas são vistos com um alto grau de ceticismo.

Os Humanistas Seculares São Ateístas?

Os Humanistas Seculares tipicamente se auto descrevem com ateístas (sem uma crença em um deus e muito cético sobre a possibilidade) ou agnósticos (sem uma crença em um deus e incertos sobre a possibilidade) .

Os Humanistas Seculares provém de um amplo espectro de experiências filosóficas e religiosas, variando desde fundamentalismo cristão até sistemas liberais de crença e para o ateísmo vitalício.

Alguns alcançaram uma posição secular humanista confortável após um período de deísmo. Deístas são aqueles que expressam o sentimento místico ou vago de que uma inteligência criativa pode estar, ou esteve em algum tempo, ligada ao universo ou envolvida em sua criação, mas no presente não existe mais ou não está mais preocupada com sua operação.

Os Humanistas Seculares não contam com deuses ou outras forças sobrenaturais para solucionar seus problemas ou obter orientação para sua conduta. Eles contam por sua vez com a aplicação da razão, das lições da história, e das experiências pessoais para formar um alicerce ético/moral e para criar sentido na vida. Os Humanistas Seculares encaram a metodologia científica como a mais confiável fonte de informação sobre o que é factual ou verdadeiro em relação ao universo que todos compartilhamos, reconhecendo que as novas descobertas irão sempre alterar e expandir nossa compreensão sobre esse mesmo universo e talvez mudar nosso entendimento, inclusive, para questões éticas.

Qual É A Origem do Humanismo Secular?

O Humanismo Secular, como um sistema filosófico organizado, é relativamente novo, mas seus fundamentos podem ser encontrados nas idéias dos filósofos clássicos Gregos tais como os Estóicos e Epicuristas bem como também no Confucionismo chinês. Estas visões filosóficas procuram mais pelos seres humanos do que pelos deuses para solucionar os problemas humanos.

Durante a Era do Obscurantismo da Europa Ocidental, as filosofias humanistas eram reprimidas pelo poder político da igreja. Aqueles que ousavam expressar pontos de vista em oposição aos dogmas religiosos predominantes eram banidos torturados ou executados. Somente com o Renascimento, dos séculos quatorze ao dezessete, com o florescimento da arte, música, literatura, filosofia e exploração pôde a consideração da alternativa humanista ser permitida em contraparida a uma existência centrada em Deus. Durante o Iluminismo do século dezoito, com o desenvolvimento da ciência, os filósofos finalmente começaram a criticar abertamente a autoridade da igreja e engajar-se no que se tornou conhecido como "livre pensamento".

O movimento do Livre-Pensamento do século dezenove da América e Europa Ocidental finalmente tornou possível para o cidadão comum rejeitar a fé cega e a superstição sem o risco de perseguição. A influência da ciência e da tecnologia, juntamente com os desafios à ortodoxia religiosa por celebridades tais como Mark Twain e Rober G. Ingersoll trouxe elementos da filosofia humanista até mesmo para as principais igrejas Cristãs, que tornaram-se mais preocupadas com esse mundo e menos com o próximo.

No século vinte cientistas, filósofos e teólogos progressistas iniciaram a organizar um esforço para promover a alternativa humanista para as visões do mundo baseadas na fé tradicional. Estes primeiros organizadores classificaram o humanismo como uma religião não-teísta que preencheria a necessidade humana de um sistema ético/filosófico ordenado para guiar a vida, uma "espiritualidade" sem o sobrenatural. Nos últimos trinta anos, aqueles que rejeitam o supranaturalismo como um perfil filosófico viável adotaram o termo " humanismo secular" para descrever sua atitude de vida não-religiosa.

Os críticos tentam frequentemente classificar o humanismo secular como uma religião.Todavia, o Humanismo Secular carece das características essenciais de uma religião, incluindo a crença em uma divindade e a consequente ordem transcendental. Os Humanistas Seculares sustentam que as questões relativas à ética, condutas sociais e legais apropriadas e as metodologias da ciência são filosóficas e não fazem parte do domínio da religião, que lida com o sobrenatural, místico e transcendental.

O humanismo Secular, então, é uma filosofia e visão do mundo centrada nas preocupações humanas e emprega métodos racionais e científicos para lidar com o amplo espectro de questões importantes para todos nós. Enquanto o humanismo secular está em desacordo com sistemas religiosos baseados na fé em muitas questões, ele está dedicado à realização do indivíduo e da humanidade em geral. Para atingir esse objetivo, o humanismo secular estimula um compromisso com um conjunto de princípios que promovem o desenvolvimento da tolerância e compaixão e o entendimento dos métodos da ciência, análise crítica e reflexão filosófica.


Declaração Humanista Secular

Emitida em 1980
The Council for Democratic and Secular Humanism
(hoje Council for Secular Humanism )

Conteúdo

1- introdução

O Humanismo Secular é uma força vital no mundo contemporâneo. Está, atualmente, sob injustificado e desmedido ataque de várias direções. Esta declaração defende apenas o humanismo secular que é explicitamente comprometido com a democracia. Ele se opõe a todas as variedades de crenças que buscam ratificação sobrenatural para seus valores ou patrocinam o domínio pela ditadura.

O Humanismo Secular Democrático tem sido uma poderosa força na cultura mundial. Seus ideais podem ser rastreados nos filósofos, cientistas, e poetas da Grécia clássica e de Roma, na antiga sociedade Confusiana chinesa, no movimento Carvaka da Índia, e em outras distinguidas tradições morais e intelectuais. O secularismo e o humanismo foram eclipsados na Europa durante a Era do Obscurantismo, quando a piedade religiosa corroeu a confiança da humanidade nos seus próprios poderes para solucionar os problemas humanos. Eles reapareceram com força durante o Renascimento, com a reafirmação dos valores humanistas seculares na literatura e nas artes e novamente nos séculos dezesseis e dezessete com o desenvolvimento da ciência moderna e a visão naturalista do universo e sua influência pode ser encontrada no século dezoito na Idade da Razão e do Iluminismo.

O Humanismo Secular Democrático floresceu, criativamente, nos tempos modernos com o crescimento da liberdade e da democracia. Incontáveis milhões de pessoas de opinião tem abraçado os ideais humanistas seculares, levado vidas significativas e contribuído para a construção de um mundo mais democrático e humano. A perspectiva do moderno humanista secular tem conduzido à aplicação da ciência e da tecnologia para o melhoramento das condições humanas. Isto tem tido um efeito na redução da pobreza, sofrimento e doenças em várias partes do mundo, quer seja na extensão da longevidade, na melhoria do transporte e da comunicação e tornando possível uma vida melhor para mais e mais pessoas. Ela conduziu a emancipação de milhões de pessoas do exercício da fé cega e dos medos da superstição e tem contribuído para a educação e enriquecimento de suas vidas.

O Humanismo Secular tem provido aos humanos o ímpeto para resolver seus problemas com inteligência e perseverança, para conquistar fronteiras geográficas e sociais e para estender o campo da exploração humana e da aventura. Lamentavelmente, estamos hoje diante de uma variedade de tendências anti-seculares: o reaparecimento de religiões dogmáticas autoritárias; fundamentalismo, literalismo, e Cristianismo doutrinário; um crescimento veloz de um intransigente clericalismo Muçulmano no Oriente Médio; a reafirmação da autoridade ortodoxa pela hierarquia papal Católica Romana; Judaísmo nacionalista religioso; e a reversão para o obscurantismo na Ásia.

Novos cultos do irracional bem como bizarras crenças paranormais e ocultas, tais como crença na astrologia, reencarnação e os alegados misteriosos poderes da mente estão crescendo em muitas sociedades Ocidentais. Estes desenvolvimentos confusos seguem na onda do surgimento, no início do século vinte, de intoleráveis movimentos messiânicos e totalitários, quasi-religiosos, tais como o fascismo e o comunismo. Estes ativistas religiosos, não só são responsáveis pela maior parte do terror e violência no mundo de hoje, mas se colocam como obstáculo para as soluções dos mais sérios problemas do mundo.

Paradoxalmente, alguns críticos do humanismo secular afirmam que ele é uma filosofia perigosa. Alguns defendem que ela é "moralmente corruptora" porque está comprometida com a liberdade individual, outros que ela fecha os olhos sobre a "injustiça" porque defende o devido processo democrático. Nós, que defendemos o humanismo secular democrático, renegamos estes ataques que são baseados em mal-entendidos e más interpretações, e nos esforçamos para delinear um conjunto de princípios que a maioria de nós compartilha.

O Humanismo Secular não é um dogma ou credo. Existe uma gama larga de opiniões diferentes entre os humanistas seculares, em muitas questões. No entanto, existe um consenso livre com relação a várias proposições. Nós estamos apreensivos quanto a civilização moderna estar ameaçada por forças antitéticas à razão, democracia e liberdade. Muitos crentes religiosos irão, sem dúvida, compartilhar conosco em muitos valores humanistas seculares e democráticos e nos saudamos sua união conosco, na defesa desses ideais.

2- Livre Investigação

O primeiro princípio do humanismo secular democrático é o compromisso com a livre investigação. Nós nos opomos a qualquer tirania sobre a mente do homem, qualquer ação por instituições eclesiásticas, políticas, ideológicas ou sociais para acorrentar o livre pensamento.

No passado, essas tiranias foram direcionadas por igrejas e estados na tentativa de reforçar os éditos de fanáticos religiosos. Na longa contenda na história da idéias, instituições estabelecidas, tanto públicas como privadas, tem tentado censurar a investigação, para impor crenças e valores ortodoxos e para excomungar heréticos e extirpar incrédulos. Hoje, a luta pela livre investigação assumiu novas formas. Ideologias sectárias transformaram-se nas novas teologias que usam partidos políticos e governos na sua missão de esmagar as opiniões dissidentes.

A Livre Investigação transfere o reconhecimento integral das liberdades civís a quem a busca, isto é, uma imprensa livre, liberdade de comunicação, o direito de organizar partidos de oposição e se associar voluntariamente a associações, a liberdade para cultivar e publicar os frutos da liberdade científica, filosófica, artística, literária, moral e religiosa. A Livre Investigação requer que toleremos a diversidade de opiniões e que respeitemos o direito dos indivíduos expressar suas crenças, quão impopular elas possam ser, sem proibições sociais ou legais ou medo de sanções.

Embora possamos tolerar pontos de vista contrastantes, isto não significa que eles são imunes a exame crítico. A premissa orientadora daqueles que acreditam na livre investigação é que a verdade é mais facilmente descoberta se existe oportunidade para a troca de opiniões contrárias; o processo de intercâmbio é frequentemente tão importante quanto o resultado. Isto se aplica não somente à ciência mas também ao dia-a-dia, à política, economia, moralidade e religião. 

3- Separação Entre Igreja e Estado

Em razão de seu compromisso com a liberdade, o humanismo secular acredita no princípio da separação entre a igreja e o estado. As lições da história são claras: Por toda a parte onde uma religião ou ideologia é estabelecida e recebe uma posição dominante no estado, as opiniões minoritárias estão comprometidas.

Uma sociedade democrática aberta e pluralista permite que todos os pontos de vista sejam ouvidos. Qualquer atitude para impor uma concepção exclusiva da Verdade, Religiosidade, Virtude, ou Justiça sobre o todo da sociedade é uma violação da livre investigação. Autoridades clericais não podem ter permissão de legislar suas próprias visões paroquiais - sejam morais, filosóficas, políticas, educacionais ou sociais - sobre o resto da sociedade.

Receitas de taxas não podem ser exigidas para o benefício ou suporte de instituições religiosas sectárias. Indivíduos e associações voluntárias devem ser livres para aceitar ou não aceitar qualquer crença e para sustentar essas convicções com quaisquer recursos que possam ter, sem serem compelidos, por taxação, a contribuir para esses cultos religiosos com os quais eles não concordam.

Similarmente as propriedades da igreja devem compartilhar com a sua parte nas receitas públicas e não devem ser isentas da taxação. Juramentos compulsórios e orações nas instituições públicas (políticas ou educacionais) são também uma violação do princípio da separação. Hoje em dia, religiões teístas como não-teístas competem por atenção.

Lamentavelmente, em países comunistas o poder do estado está sendo usado para impor uma doutrina ideológica na sociedade, sem tolerar a expressão da divergência ou visões heréticas. Aqui, vemos uma versão secular moderna de violação do princípio da separação.

4- O Ideal de Liberdade

Existem muitas formas de totalitarismo no mundo moderno - secular e não-secular - nós nos opomos vigorosamente a todas elas. Como secularistas democráticos nós, consistentemente, defendemos o ideal de liberdade, dos interesses eclesiásticos, políticos e econômicos que buscam reprimi-los, não somente liberdade de consciência e crença, mas a genuína liberdade política, a tomada de decisão democrática baseada no poder da maioria e o respeito pelos direitos das minorias e o cumprimento da lei.

Defendemos não somente a liberdade de controles religiosos mas também a liberdade de controles governamentais jingoístas. Somos a favor da defesa dos direitos humanos básicos, incluindo o direito de proteger a vida, liberdade e a busca da felicidade.

Na nossa visão, uma sociedade livre deve também estimular algumas medidas de liberdade econômica, submetendo apenas restrições onde for necessário ao interesse público. Isto significa que indivíduos e grupos devem estar aptos a competir no mercado, organizar sindicatos livres de comércio e desenvolver suas ocupações e negócios sem interferência indevida através de controle político centralizado.

O direito à propriedade privada é um direito humano sem o qual os outros direitos perdem o valor. Quando for necessário limitar qualquer desses direitos em uma democracia, a limitação deve ser justificada em termos de sua consequencia na consolidação da completa estrutura de direitos humanos.
5- Ética Baseada em Inteligência Crítica

A visão moral do humanismo secular tem sido submetida à crítica por religiosos teístas fundamentalistas. O humanismo secular reconhece o papel central da moralidade na vida humana; na verdade a ética foi desenvolvida como um ramo do conhecimento humano muito antes dos religiosos proclamarem seus sistemas morais baseados na autoridade divina.

O campo da ética possui uma distinguida lista de pensadores que contribuíram para o seu desenvolvimento: Desde Sócrates, Demócrito, Aristóteles, Epicuro, até Spinoza, Erasmo, Hume, Voltaire, Kant, Bentham, Mill, G.E. Moore, Bertrand Russel, John Dewey, e outros.

Existe uma uma tradição influente filosófica que sustenta que a ética é um campo autônomo de investigação e que os julgamentos éticos podem ser formulados independentemente de religião revelada e de que os seres humanos podem cultivar razão prática e sabedoria e por sua aplicação alcançar vidas de virtude e excelência. Além disso os filósofos tem enfatizado a necessidade de cultivar o aprêço pelos requisitos da justiça social e pelas obrigações e responsabilidades individuais perante os outros.

Assim, os secularistas negam que a moralidade precisa ser deduzida de crenças religiosas ou que aqueles que não abraçam uma doutrina religiosa são imorais. Para os humanistas seculares, a conduta ética é, ou deve ser, julgada pela razão crítica, e seu objetivo é desenvolver indivíduos autônomos e responsáveis, capacitados a fazerem suas próprias escolhas na vida, baseados num entendimento do comportamento humano. A Moralidade que não é baseada em Deus não precisa ser anti-social, subjetiva ou promíscua, nem precisa conduzir à ruptura dos padrões morais.

Embora nós acreditemos na tolerância aos diversos estilos de vida e maneiras sociais, não achamos que sejam imunes à crítica. Nem acreditamos que qualquer das igrejas deva impor suas visões de virtude moral e pecado, conduta sexual, casamento, divórcio, controle da natalidade, ou aborto, ou legislá-los para o resto da sociedade. Como humanistas seculares acreditamos na importância central do valor da felicidade humana aqui e agora. Somos opostos à moralidade absoluta, todavia nós sustentamos que objetivos padrões imergem, e os valores e princípios éticos podem ser descobertos no curso de uma deliberação ética.

A ética humanista secular sustenta que é possível aos seres humanos levarem vidas expressivas e saudáveis para si próprios e a serviço de seus companheiros seres humanos, sem a necessidade de mandamentos religiosos ou de benefícios dos clero. Existiram muitos distinguidos secularistas e humanistas que demonstraram princípios morais em suas vidas pessoais e trabalho: Protagoras, Lucrecio, Epicuro, Spinoza, Hume,Thomas Paine, Diderot, Mark Twain, George Eliot, John Stuart Mill, Ernest Renan, Charles Darwin, Thomas Edison, Clarence Darrow, Robert Ingersoll, Gilbert Murray, Albert Schwietzer, Albert Einstein, Max Born, Margaret Sanger e Bertrand Russel entre outros.
6- Educação Moral

Acreditamos que o desenvolvimento moral deva ser cultivado nas crianças e nos adultos jovens. Nós não acreditamos que qualquer seita, em particular, possa reivindicar valores importantes como de sua exclusiva propriedade; Portanto, é dever da educação pública lidar com esses valores. Consequentemente apoiamos a educação moral nas escolas, que seja direcionada para desenvolver o apreço pelas virtudes morais, inteligência e construção do caráter.

Desejamos incentivar, onde for possível, o crescimento da precaução moral e a capacidade da livre escolha e o entendimento das consequências disso. Nós não achamos que seja moral batizar as crianças, confirmar os adolescentes ou impor um credo religioso nos jovens antes deles estarem aptos a consentir. Embora as crianças devam aprender sobre a história das práticas religiosas, suas mentes jovens não devem ser doutrinadas na fé antes delas serem maduras o suficiente para avaliar os méritos para elas próprias.

Deve ser notado que o humanismo secular não é tanto uma moralidade específica quanto é um método para a explicação e descoberta dos princípios morais racionais.
7- Ceticismo Religioso

Como humanistas seculares somos geralmente céticos sobre as alegações sobrenaturais, reconhecemos a importância da experiência religiosa; aquela experiência que redireciona e dá sentido à vida dos seres humanos. Nós negamos, entretanto, que tais experiências tenham alguma coisa com o sobrenatural. Nós duvidamos das visões tradicionais de Deus e divindade. Interpretações simbólicas e mitológicas da religião, frequentemente, servem como racionalizações para uma sofisticada minoria, conduzindo o grosso da humanidade a debater-se na confusão teológica.

Nós consideramos que o universo seja um palco dinâmico para forças naturais que são mais efetivamente entendidas através da investigação científica. Nós estamos sempre abertos para a descoberta de novas possibilidades e fenômenos na natureza. Entretanto, nós consideramos que visões tradicionais da existência de Deus ou, são sem sentido, não foram ainda demonstradas serem verdadeiras ou são tiranicamente exploradas.

Humanistas seculares podem ser agnósticos, ateístas, racionalistas ou céticos, mas eles consideram as evidências insuficientes na afirmação de que existe um propósito divino para o universo. Eles rejeitam a idéia de que deus tenha intervindo, miraculosamente, na história ou se revelado a uns poucos escolhidos ou que ele possa salvar ou redimir os pecadores. Eles acreditam que os homens e mulheres são livres e são responsáveis por seu próprio destino e que não podem olhar em direção a um ser transcendental para salvação. Nós rejeitamos a divindade de Jesus, a missão divina de Moisés, Maomé e outros profetas e santos do dia das várias seitas e denominações.

Nós não aceitamos, como verdade, as interpretações literais do Velho e do Novo Testamento, do Corão, ou outro alegado documento religioso sagrado, independente de quão possam ser importantes como literatura. As religiões são fenômenos sociológicos penetrantes e os mitos religiosos tem persistido, longamente, na história humana. A despeito do fato que os seres humanos tem considerado as religiões como forma de elevação e consolo, nós não consideramos que seus reclamos teológicos sejam verdadeiros. As religiões tem feito contribuições tanto negativas como positivas para o desenvolvimento da civilização humana.

Embora tenham ajudado a construir hospitais e escolas e, no seu melhor, terem estimulado o espírito do amor e caridade, muitas causaram também sofrimento humano ao serem intolerantes com aqueles que não aceitaram seus dogmas ou credos. Algumas religiões tem sido fanáticas e repressivas, estreitando as esperanças humanas, limitando suas aspirações e precipitando guerras religiosas e violência. Enquanto as religiões ofereceram, sem dúvida, conforto aos despojados e moribundos exibindo a promessa de uma vida imortal, elas também levantaram medo mórbido e pavor. Nós não encontramos nenhuma evidência convincente de que exista uma "alma" separável ou que ela exista antes do nascimento ou sobreviva à morte.

Nós temos portanto, que concluir que a vida ética pode ser vivida sem as ilusões da imortalidade ou reencarnação. Os seres humanos podem desenvolver a autoconfiança necessária para o aperfeiçoamento das condições humanas e para conduzir vidas produtivas e significativas.
8- Razão

Nós vemos com preocupação o ataque presente por não secularistas na razão e na ciência. Nós estamos comprometidos com o uso dos métodos racionais de investigação, com a lógica e com a evidência no desenvolvimento de conhecimento e no teste de comprovação da verdade das afirmações.

Desde que o seres humanos são propensos a erro, nós estamos abertos para a modificação de todos os princípios, incluindo aqueles que governam as investigações, acreditando que eles estejam sempre precisando de constante correção.

Embora não tão ingênuos, para acreditar que a razão e a ciência podem facilmente resolver todos os problemas humanos, nós, não obstante, sustentamos que elas podem produzir uma grande contribuição para o conhecimento humano e podem ser de grande valor para a humanidade. Nós não conhecemos nenhum substituto melhor para o cultivo da inteligência humana.
9- Ciência e Tecnologia

Nós acreditamos que o método científico, embora imperfeito, é ainda o mais confiável meio de compreender o mundo. Dai olhamos para as ciências natural, biológica, social e comportamentais para conhecimento do universo e do lugar do homem dentro dele. A astronomia moderna e a física abriram excitantes novas dimensões do universo: elas permitiram à humanidade explorar o universo através das viagens espaciais. A biologia as ciências sociais e comportamentais expandiram nosso entendimento do comportamento humano.

Nós estamos assim, em princípio, em oposição a toda ação que objetive censurar ou limitar a pesquisa científica sem uma razão prioritária para fazê-lo. Enquanto estamos alertas e nos opomos aos abusos da tecnologia mal aplicada e suas possíveis consequencias danosas para a ecologia natural do ambiente humano, nós insistimos na resistência contra atitudes impensadas para limitar os avanços tecnológicos ou científicos.

Nós apreciamos os enormes benefícios que a ciência e tecnologia (especialmente a pesquisa básica e aplicada) podem trazer para a humanidade, mas também reconhecemos a necessidade de contrabalançar os avanços tecnológicos e científicos com explorações culturais na arte, música e literatura.
10- Evolução

Hoje a teoria da evolução está novamente sobre ataque pesado dos fundamentalistas religiosos. Embora a teoria da evolução não pode ser considerada como tendo alcançado sua formulação final, ou como um princípio infalível da ciência, é não obstante, sustentada de forma impressionante pelas descobertas de muitas ciências.

Parecem existir algumas diferenças significantes entre os cientistas com relação à mecânica da evolução; todavia a evolução das espécies é sustentada tão fortemente pelo peso da evidência que é difícil rejeitá-la. Consequentemente, deploramos os esforços dos fundamentalistas ( especialmente nos Estados Unidos) de invadir as classes de aula de ciência, exigindo que a teoria criacionista seja ensinada aos estudantes e requerendo que ela seja incluída nos livros texto de biologia.

Essa é uma séria ameaça tanto para a liberdade acadêmica como para a integridade do processo educacional. Nós acreditamos que os criacionistas certamente devem ter o direito de expressar seus pontos de vista na sociedade. Além disso, nós não negamos o valor do exame da teoria da criação em cursos educacionais de religião e de história das idéias; nas é um embuste disfarçar um artigo de fé religiosa como uma verdade científica e infligir esta doutrina no curriculum de ciências. Se vitoriosos, os criacionistas podem, seriamente, solapar a credibilidade da ciência propriamente dita.
11- Educação

Na nossa visão, a educação deve ser o método essencial para a construção de sociedades humanas livres e democráticas. Os objetivos da educação são vários: a transmissão do conhecimento; treinamento para ocupações, carreiras e cidadania democrática; e o estímulo ao crescimento moral. Entre os seus múltiplos propósitos deve estar também uma tentativa de desenvolver a capacidade para a inteligência crítica tanto no indivíduo como na comunidade.

Infelizmente as escolas estão hoje sendo substituídas pela mídia de massa como as instituições principais de educação e informação ao público. Embora a mídia eletrônica ofereça oportunidades sem paralelo para um crescente enriquecimento cultural e de lazer e poderosas oportunidades de aprendizado, tem havido uma séria má orientação dos seus propósitos.

Nas sociedades totalitárias, a mídia serve como veículo de propaganda e doutrinação. Nas sociedades democráticas, a televisão, o rádio, os filmes e as publicações de massa buscam frequentemente somente audiência e se transformaram numa banalidade descartável. Existe uma necessidade urgente de elevar os padrões de bom gosto e avaliação.

De especial atenção para os secularistas é o fato de que a mídia (particularmente nos Estados Unidos) está excessivamente dominada por intenções pró religiosas. As visões de pregadores, curandeiros de fé, e mercenários religiosos seguem largamente sem serem contestadas e sem ser dada uma oportunidade de audiência isenta ao segmento secular. Nós acreditamos que os diretores e produtores da televisão tem uma obrigação de corrigir o equilíbrio e rever sua programação. Na verdade, existe uma imensa tarefa que todos aqueles que acreditam nos valores da democracia humanista secular reconhecerão, exatamente, a necessidade de se engajar num programa de longo prazo de educação pública e esclarecimento com relação à relevância da perspectiva secular para a condição humana.
12- Conclusão

A Democracia Humanista Secular é muito importante para a humanidade para ser abandonada. Pessoas racionais certamente reconhecerão sua profunda contribuição para o bem estar humano. Nós estamos, não obstante, cercados por profetas do infortúnio do juízo final, sempre desejando girar o relógio para trás - eles são anticiência, antiliberdade, anti-humanos. Em contrapartida a perspectiva humanista secular é basicamente melhoradora, voltada para a frente com esperança e não para trás com desespero.

Nós estamos compromissados em expandir, através da comunidade mundial, os ideais de razão, liberdade, oportunidade individual e coletiva e democracia. Os problemas que a humanidade se defrontará no futuro, tal qual no passado, serão sem dúvida complexos e difíceis. Entretanto, se é para sobrepujá-los, isso só pode ser feito agregando-se engenhosidade e coragem.

Os humanistas seculares confiam mais na inteligência humana do que na orientação divina. Céticos de teorias da redenção, maldição e ressurreição, os humanistas seculares tentam conduzir a situação humana em termos realísticos: os seres humanos são responsáveis por seu próprio destino. Nós acreditamos que é possível motivar um mundo mais humano, baseado nos métodos da razão e nos princípios da tolerância, compromisso e negociações das diferenças.

Nós reconhecemos a necessidade da modéstia intelectual e a da boa vontade para revisar crenças à luz das críticas. A despeito das emoções serem importantes, nós não precisamos lançar mão de panacéias de salvação, fugir através da ilusão ou dar um salto desesperado na direção da paixão e da violência. Nós deploramos o aumento dos cultos sectários intolerantes que fomentam o ódio. Num mundo engolido pelo obscurantismo e irracionalismo é vital que as idéias da cidade secular não sejam perdidas.

Este texto é uma tradução feita de textos do CHS, conforme o crédito, no link ao início da Declaração. Devido à importância, ao seu conteúdo e a própria falta de indicação de qualquer Copyright para esse texto na página do CHS, a tradução foi colocada na MPHP sem qualquer solicitação de autorização. Estamos certos, de que dentro dos princípios do humanismo secular, expressos nessa própria declaração, o CHS não exigiria essa autorização. Esta tradução foi realizada e colocada no ar num espaço de 24 hs. Conforme expresso na página principal estamos abertos a críticas e sugestões de correção, dentro dos mesmo princípios citados. Qualquer sugestão deve ser devidamente especificada informando, exatamente, a localização no texto e enviada por Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email . A primeira parte "O que é humanismo secular " ("What is Secular Humanism") foi escrita por Fritz Stevens, Edward Tabash, Tom Hill, Mary Ellen Sikes, and Tom Flynn. A segunda parte constituída da declaração foi, basicamente, escrita pelo próprio Paul Kurtz, que elaborou a primeira versão (draft).

Gostaríamos também de sugerir o sítio Humanismo Secular Portugal


  Se você leu até aqui assine o GuestBook

banner1
Trackback(0)
Comentarios (3)add
Me achando
escrito por vinicius , 19 outubro 2007
Por muitos anos, frequentei a igreja católica, mas nunca me contive nas dúvidas que tinha e que ainda tenho.
Essas dúvidas, procurei sanar procurando pessoas com anos de experiência em diversas religiões, mas infelizmente, TODAS nunca souberam me explicar.
Sempre vinham com as mesmas respostas, mesmo que não com as mesmas palavras, mas o sentido era exatamente o mesmo.
E felizmente, estou começando a "esclarecer" estas dúvidas quando comecei a me adentrar mais no humanismo.
Esta filosofia de vida, nos permite pensar livremente, sem o medo de um castigo "divino", que muitas reigiões pregam.
Como ja dito no artigo, a igreja muito ajudou e ainda ajuda na sociedade, mas infelizmente, ainda propaga o medo e o bitolamente de seus fiéis.

Garanto que se eu estivesse em uma igreja e perguntasse para um padre, pastor, bispo, etc. quem criou Deus, no mínimo falariam que eu estou com o demônio.

Concordo a maioria dos "ideais" do humanismo, mas como todo ser humano, discordo em alguns pontos.
Acho que posso me auto-denominar, meio-humanista, pois acredito sim em um Deus, mas não em um Deus como a maioria acredita, acredito que em algum momento houve um criador, ja que não tem fundamento surgir algo do nada. Mas junto com essa minha crença, vem uma pergunta: "Deus criou o universo, mas quem criou Deus?"

"Cada indivíduo deve caminhar com suas próprias pernas, sem esperar ajuda divina."
Simplesmente uma frase perfeita, onde nos dias atuais, pessoas horam tanto, que esquecem suas reais capacidades de realização.

Bein, tenho só 18 anos de vida, e ainda pretendo me adentrar mais neste mundo do humanismo.
Aqui é onde estou "me achando", e conseguindo entender melhor o mundo ao meu redor.
Ja neste começo de caminhada, ja estou sofrendo "preconceitos", por não pensar como a maioria, mas não ligo para o que os outros falam, me importo mesmo com a minha satisfação de vida e bem-estar.

Ah! uma curiosidade...conheci o humanismo pelo orkut, lá na descrição da nossa religião, aparece a opção para humanismo, então eu me interessei e resolvi pesquisar mais.
report abuse
vote down
vote up
Votes: +4
um esclarecimento
escrito por Sil , 08 março 2010
Estou nesse site pela primeira vez.Para entender melhor a forma de raciocinio e bases deste, gostaria de um comentário, se possivel, do trecho abaixo. Focando mais no trecho em que se diz:
"ele está dedicado à realização do indivíduo e da humanidade em geral. Para atingir esse objetivo, o humanismo secular estimula um compromisso com um conjunto de princípios que promovem o desenvolvimento da tolerância e compaixão"...
Tolerância e compaixão são produtos do sentimento, que envolve emoções humanas, relações de superficiais até profundas, nesse sentido são tão únicas e não podem ser vistas por nenhuma ciência que cria seus conceitos apartir do fenomeno(efeito) existente, se comportar 'assim', e não se apronfundar no porque da manifestação desse fenômeno 'assim'(causa). Ou seja vai do efeito para a causa.Como pode se tentar desenvolvimento humano, sem que se tenha contato com as leis naturais da vida, do próprio humano, assim como todas as leis naturais que se baseia a ciência, o humano não foje a isso, é também um fenômeno manifesto, assim como tudo que há. Existe a Lei da vida(para toda energia existente)que rege as ações individuais e que são existentes dentro da própria vida, do próprio ser.A vida existe, isso é um fato inegável, seja de forma substancial ou não substancial, ela é fato comprovado, e tudo que se há existe uma lei natural que explica seu comportamento seja no sentido objetivo ou subjetivo.
Gostaria de saber baseado em "que" buscam o desenvolvimetno humano?
Agradeço desde de já atenção dispensada à meu comentário.
Silvana

Trecho da matéria a que me referi
http://www.mphp.org/racionalis...cular.html
O humanismo Secular, então, é uma filosofia e visão do mundo centrada nas preocupações humanas e emprega métodos racionais e científicos para lidar com o amplo espectro de questões importantes para todos nós. Enquanto o humanismo secular está em desacordo com sistemas religiosos baseados na fé em muitas questões, ele está dedicado à realização do indivíduo e da humanidade em geral. Para atingir esse objetivo, o humanismo secular estimula um compromisso com um conjunto de princípios que promovem o desenvolvimento da tolerância e compaixão e o entendimento dos métodos da ciência, análise crítica e reflexão filosofica.

report abuse
vote down
vote up
Votes: +4
...
escrito por Paulo Rosas Moreira , 27 novembro 2013
Gostei de todo o conteúdo do texto e tem tudo a haver com o que eu penso.
Apenas uma ressalva: considerando que todas as religiosidades,são fundamentadas na ficção humana,eu não estou de acordo com a permissividade de sua aceitação. Mas, tendo em vista o enraizamento religioso milenar, vejo a impossibilidade do combate a aceitação das doutrinas religiosas,face a tantos milênios passados dessas doutrinações e em razão dessa análise, não vejo melhor opção do que a sugerida, pensando que dessa forma, será uma maneira, mais racional, de mudar a mente do povo, o que poderá acontecer em duas ou três gerações,caso esses objetivos possam vir a serem postos em prática.

report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

security image
Escreva os caracteres mostrados


busy
 
< Anterior   Seguinte >

Recomendar a MPHP

Fala para um amigo Seu nome:

Seu e-mail:

E-mail do seu amigo: