Swami Prabhupada e a Doutrina Hare Krishna. PDF Imprimir E-mail

Aristarco D'Assell


Este texto pode ser distribuído
livremente, sem qualquer restrição
à sua divulgação por parte do autor.

        Creio que o caro leitor já ouvir falar sobre a seita Hare Krishna . Oriunda da Índia e baseada numa interpretação de um livro milenar( Os Vedas ), sua crença mais característica é que o diário canto do mantra Hare Krishna "liberta o coração de conceitos errôneos, purifica e eleva a alma". Este conceito está bem expresso num slogan: "Cante Hare Krishna Hare Krishna Krishna Krishna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare e seja feliz ".

        O criador dessa seita chama-se Swami Prabhupada, e este disserta inclusive sobre misticismo, mistério, valores espirituais, yoga, reencarnação e karma. Há pouco tempo caiu-me em mãos um livro escrito por ele. Seu título é: "A Vida vem da Vida" e encontra-se logo na capa essa frase: "Um surpreendente desafio à moderna teoria científica da origem da vida e do Universo". Swami Prabhupada era descrito no livro como "...o maior filósofo e acadêmico do século...", "... de... agudo intelecto...", "...erudito e preceptor espiritual..." e "...o maior embaixador cultural da Índia no mundo...".

        O início parece promissor: "...Com rigor filosófico, profundo senso comum e desarmadora franqueza, ele expõe não somente as deficiências metodológicas e preconceitos inconfessos da ciência moderna, mas também as inverificadas (ou inverificáveis) especulações que os cientistas apresentam ao público crédulo como fatos concretos. Assim Srila Prabhupada exorciza o feitiço dos mitos materialista e niilista que, mascarados como ciência, têm embruxado tanto a civilização moderna...". Também encontra-se: "...Os diálogos em A Vida Vem da Vida podem parecer revolucionários, mas então Newton, Pasteur e Einstein não foram revolucionários científicos?...".

        Parecia-me que estava diante de uma "grandiosa crítica à ciência", realizada por um "grande sábio indiano" e "guia espiritual". Porém os eventos posteriores não confirmaram minha inicial suposição. Seus argumentos são muito superficiais, e tenho certeza que muitos leigos teriam facilidade de enxergar seus equívocos. Todavia, julgo melhor mostrar algumas das suas declarações infundadas, no propósito de concretizar estas observações.

  • "...Embora assaltada pela dúvida e divisão internas, a ciência moderna, de uma forma ou de outra, organizou-se para apresentar uma frente unida diante do público não científico. O comportamento deles traz à mente o pior que existe em matéria de politicagem e embustes coletivos..."


Uma das grandes vantagens da instituição científica é sua tolerância em relação às idéias novas ou diferentes. Essa tolerância revela-se extremamente proveitosa, logo não cabe rotular a ciência de " assaltada pela dúvida e divisão internas" . Umas vozes dissidentes sempre fazem com que esclareçamos nossas teorias nos seus pontos menos evidentes. Note a contradição perpetrada pelo Swami, ou seja, ele não explica a seguinte questão: se a ciência é tão assaltada pela divisão interna, como organizou-se para apresentar-se como uma frente unida?

  • "...Como podemos ver, por um lado os cientistas têm uma profunda preferência pessoal pelo conceito de que a vida vem da matéria. Por outro lado, eles admitem que não têm evidência para corroborar sua convicção, e que a teoria deles se defronta com problemas intransponíveis..."


De acordo com Prabhupada, os cientistas acreditam em algo admitindo que não têm evidência que corrobore sua convicção. Todavia, este proceder não é considerado científico. Resta a pergunta: será que os cientistas acreditam em algo sem evidências? Creio que não, mas se alguém discorda de minha opiniãp rogo humildemente que me demonstre...

  • "...O planeta Lua está coberto de poeira, mas dentro da poeira as entidades vivas podem viver... Mesmo no Sol, onde aparentemente não há água, ainda assim existem entidades vivas..."


Consta que Allan Kardec, o criador do espiritismo na forma que conhecemos atualmente no Ocidente, insistiu na mesma idéia: a existência de entidades vivas em outros planetas(mesmo do Sistema Solar). Não vejo como poderia existir vida na Lua, porém gostaria de saber como eles obtiveram tal conhecimento.

  • "...Eles (os cientistas) tomaram da natureza (referindo-se aos materiais utilizados nas experiências científicas) , mas eles são ladrões porque tudo na natureza pertence a Krishna..."


Interessante esse raciocínio. Os cientistas são ladrões porque utilizam materiais da natureza. Vejamos por curiosidade quais são as conseqüências lógicas dessa proposição. De acordo com ela, todo o ser humano é um ladrão. Com que material confeccionamos nossas roupas e fazemos nossas casas? Inclusive as comunidades que não tiveram contato com a ciência moderna também sofrerão deste estigma: serem ladras. Mas então a ciência não influi nesse característica: os homens seriam ladrões com ou sem ela. Logo, a acusação contra a ciência não procede.

  • "...porque a atmosfera contém todos os elementos necessários para sustentar a vida, terra, água, fogo, ar e éter. Em qualquer coisa material, todos esses elementos estão presentes... Toda a matéria é uma combinação de cinco elementos grosseiros(terra, água, fogo, ar e éter) e três elementos sutis(mente, inteligência e falso ego)... você não vê fogo no meu corpo, todavia meu corpo é quente. De onde vem este calor? Você não vê nenhum fogo. Você vê algum fogo queimando no meu corpo? Então, de onde vem o calor? Qual é a resposta?..."


A idéia da mistura de elementos que formam a matéria foi formulada inclusive pelos gregos. A ciência já dissipou este conceito há séculos, todavia vemos que este persiste em continuar em outras culturas. Portanto não vou ressaltar muito este ponto, pois quero analisar o próximo. O fato de que o fogo gera calor é evidente, mas desse fato inferirmos que qualquer calor é gerado pelo fogo não tem nenhum embasamento lógico. Na verdade, o calor do nosso corpo é gerado por meio de reações químicas. O Swami se surpreende com isso porque não atribui o devido valor às ciências.

  • "...Todas as entidades vivas possuem a inteligência necessária para executar quatro princípios: comida, sono, intercurso sexual e defesa. Esses quatro princípios existem mesmo no átomo..."

A crença de átomos com intercurso sexual revela uma tendência natural do ser humano primitivo de atribuir as emoções e atividades humanas aos fenômenos da natureza. A experiência demonstra que sempre que atribuirmos nossos conceitos de certo e errado, de moral e ética, de sentimentos e emoções à natureza, inferimos coisas falsas. A natureza é indiferente às nossas preferências humanas e creio que um sábio deveria ter tal conhecimento.

  • "...Os patifes e tolos estão passando por eruditos, cientistas e filósofos, e portanto o mundo está sendo desencaminhado... qualquer pessoa sob a influência da energia material fica louca. Portanto, ela só fala disparates, e nada mais. Embora os cientistas não sejam peritos em ciência, eles são peritos em ludibriar os outros e fazer jogos de palavras..."

Obrigado pela caridade, caro mestre. Realmente, ao ler tais palavras, sinto uma vontade irresistível de desistir de estudar engenharia. Não sabia que ao desvendar fenômenos naturais os cientistas queiram ludibriar os outros.

  • "...Este mundo material é uma composição de três qualidades – sattva , rajas e tamas (bondade, paixão e ignorância) – que estão atuando em todas as partes. Essas três qualidades estão presentes em várias proporções em todas as espécies de vida. Por exemplo, algumas árvores produzem boas frutas, enquanto outras destinam-se simplesmente a servir de combustível. Isso se deve ao contato das qualidades particulares da natureza. Também entre os animais, essas três qualidades estão presentes. A vaca está na qualidade da bondade, o leão na paixão, e o macaco na ignorância..."

Como anteriormente já havia citado, novamente caímos em erro ao atribuir à natureza nossas concepções humanas. O fato da árvore produzir frutas ou servir de combustível não faz com que ela tenha mais ou menos bondade, a utilidade dela não altera sua essência de maior ou menor bondade. Logo, a vaca não seria boa nem o macaco ignorante.

  • "...Tem de ser uma pessoa (quem age na seleção natural) . Quem está permitindo que alguém sobreviva e que alguém seja morto? Tem que haver uma autoridade com discriminação para dar tal ordem..."

Não consigo seguir o raciocínio do Swami, talvez por incapacidade intelectual. Não vejo que a seleção natural necessite ser feita por algum ser. Imagino perfeitamente o meio ambiente selecionando os mais aptos, velozes e fortes. Mais uma vez, ao atribuirmos à natureza qualidades humanas, o erro não tarda a surgir...

  • "...Os cientistas estão alegando que a ciência deles é maravilhosa, mas quando é necessário um exemplo prático eles dizem que provarão isso no futuro..."


Não vejo procedência no argumento. Acho que não preciso me demorar por aqui, todos conhecem os avanços científicos o suficiente para não dar crédito à tal declaração. Só gostaria de observar que o livro foi escrito em 1973, portanto o mundo já conhecia variadas invenções tecnológicas.

 

  • "...Tão logo haja uma lei (referindo-se as leis naturais físico-químicas) , temos que levar em consideração que alguém fez a lei..."

A melhor introdução ao que chama-se Argumento da Lei Natural julgo a de Bertrand Russell: "...As pessoas observavam os planetas girar em torno do Sol segundo a lei da gravitação e pensavam que Deus dera uma ordem a tais planetas para que se movessem de modo particular – e que era por isso que eles assim o faziam. Essa era, certamente, uma explicação simples e conveniente, que lhes poupava o trabalho de procurar quaisquer novas explicações para a lei da gravitação.

Hoje em dia, explicamos a lei da gravitação de um modo um tanto complicado, apresentado por Einstein. Não me proponho fazer aqui uma palestra sobre a lei da gravitação tal como foi interpretada por Einstein, pois que também isso exigiria algum tempo; seja como for, já não temos a mesma espécie de lei natural que tínhamos no sistema newtoniano, onde, por alguma razão que ninguém podia compreender, a natureza agia de maneira uniforme. Vemos, agora, que muitas coisas que considerávamos como leis naturais não passam, na verdade, de convenções humanas. Sabeis que mesmo nas mais remotas profundezas do sistema estelar uma jarda tem ainda três pés de comprimento. Isso constitui, sem dúvida, fato notabilíssimo, mas dificilmente poderíamos chamá-lo de lei da natureza. E, assim, muitíssimas outras coisas antes encaradas como leis da natureza são dessa espécie.

Por outro lado, qualquer que seja o conhecimento a que possamos chegar sobre a maneira de agir dos átomos, veremos que eles estão muito menos sujeitos a leis do que as pessoas julgam, e que as leis a que a gente chega são médias estatísticas exatamente da mesma classe das que ocorreriam por acaso. Há, como todos nós sabemos, uma lei segundo a qual, no jogo de dados, só obteremos dois seis apenas uma vez em cerca de trinta e seis lances, e não encaramos tal fato como uma prova de que a queda dos dados é regulada por um desígnio; se, pelo contrário, os dois seis saíssem todas as vezes, deveríamos pensar que havia um desígnio. As leis da natureza são dessa espécie, quanto ao que se refere a muitíssimas delas. São médias estatísticas como as que surgiriam das leis do acaso – e isso torna todo este assunto das leis naturais muito menos impressionante do que em outros tempos. Inteiramente à parte disso, que representa um estado momentâneo da ciência que poderá mudar amanhã, toda a idéia de que as leis naturais subentendem um legislador é devida à confusão entre as leis naturais e as humanas...". Creio desnecessário acrescentar algo a essas grandes palavras.

 

  • "...Acaso os cientistas dizem que a vida veio da matéria do passado mas não o faz atualmente? De onde provêm as formigas agora – da poeira?...Por que a vida não vem da matéria agora?..."

Sim, os cientistas dizem que a vida veio da matéria do passado, porém não vem agora. E esse raciocínio é menos fantástico do que parece ser à primeira vista. As condições da Terra primitiva, que hoje em dia não mais se repetem, permitiram o surgimento da vida. As formigas agora não vem da poeira, vem de outras formigas, caro Prabhupada. Tirei suas dúvidas?


  • "...Na verdade, esses cientistas são patifes. Eles dizem puerilmente que a vida veio da matéria, embora não sejam absolutamente capazes de provar isso. Nosso movimento para a consciência de Krishna deve desmascarar todos esses patifes. Eles estão somente blefando..."


Quanta humildade e bondade, caro Swami! Você não mostra que a vida não veio da matéria. Logo, não vejo como poderá "desmascarar" os cientistas...


  • "...Se o Prêmio Nobel é dado a um cientista que é um patife, os homens do comitê que lhe dão este prêmio não são melhores que cães, porcos, camelos e asnos. Nós não os aceitamos como seres humanos... Se os homens do comitê não são melhores que animais, qualquer pessoa que receba o Prêmio Nobel da ciência é o tolo número um, porque animais o estão louvando, e não seres humanos... Eles
    (os cientistas) são patifes. Eles falam tolices, e porque fazem jogos de palavras os outros estão sendo desencaminhados... Eles não são boa gente. Não são cavalheiros... Mas esses homens são sem vergonha. Eles não podem responder apropriadamente a nossos desafios... Isso significa que não são seres humanos..."


Se ser um cientista equivale a ser cão ou porco, perdoe-me mas eu quero ser cão, porco, camelo ou asno. Seguidamente, o grande sábio Prabhupada acusa os cientistas sem fundamento. Seus argumentos não têm validade lógica. Talvez a insegurança reflita-se na intolerância, como demonstra a Inquisição.

 

  • "Os jardineiros fornecem água às árvores verdes, então por que eles não fornecem água a esta árvore morta e a tornam verde?... Os cientistas dizem que os elementos químicos são a causa da vida, mas todos os elementos químicos que estavam presentes quando a árvore estava viva ainda estão ali..."


Vou explicar-lhe caro mestre (nossa! Que honra ensinar a um grande sábio indiano!). Sim, os mesmos elementos que estavam presentes quando a árvore estava viva ainda estão ali, mas estão de outra "forma", formando outros compostos químicos, combinando-se agora de forma incompatível com a vida.

  • "Eles (os cientistas) , não podem criar sequer alguns grãos de areia... Como criaram eles alguma coisa? Pegam areia e a misturam com algumas substâncias químicas e fazem vidro. Eles não criaram a areia nem as substâncias químicas; eles as tomaram da terra. Acaso eles criaram alguma coisa?..."

Os cientistas nunca arrogaram-se de criar nada. Eles manipulam a matéria existente na natureza e fazem prodígios com ela. "Na natureza, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma", rege um princípio. Os cientistas não são deuses como o "mestre" deseja. São simples humanos, que pesquisam os fenômenos da natureza. Claro que gostariam de criar matéria, mas como isso é uma impossibilidade física(talvez por enquanto), eles resignam-se e restringem-se a manipular a já existente. Uma lição de humildade, qualidade esta que os religiosos arrogam-se de serem os únicos detentores.

  • "...Todos sofrem aqui no mundo material, e o progresso científico significa que os cientistas criam situações de conseqüente sofrimento... Através das chamadas melhorias científicas, o cientista torna-se um asno..."

Gostaria que me demonstrasse que todas as situações que os cientistas criam são de conseqüente sofrimento, e se as descobertas científicas não trazem mais felicidade do que infelicidade na face da Terra. Reafirmo que, se ao fazer melhorias científicas, o cientista torna-se um asno, então permita-me: quero ser asno!

  • "...Os cientistas estão constantemente fazendo pesquisa, e se você lhes pergunta o que estão fazendo, eles dizem: "Ah! Isso é pra próxima geração,..."


Obrigado pelo elogio, caro mestre! Os cientistas dedicam-se com ardor a descobertas que muitas vezes somente a geração posterior usufruirá. Como os cientistas são caridosos então! Despendem grande esforço para os outros! Quanto altruísmo! Ora, mas altruísmo não seria privilégio dos religiosos?

  • "...Eu não sou um Ph.D., mas posso desafiar os cientistas. Por que? Porque conheço Krishna, a verdade absoluta..."


Desculpe-me caro Prabhupada, porém até o momento presente creio que não tens demonstrado condição de desafiar os cientistas.

  • "...E qual é o custo desta pesquisa? Trata-se de um método científico para tirar dinheiro dos outros, isso é tudo. Em outras palavras, trata-se de uma trapaça. Os cientistas fazem jogo de palavras como plutônio , fótons , hidrogênio e oxigênio , mas o que as pessoas ganham com isso?... Um cientista explica alguma coisa até certo ponto, e então outro patife aparece e explica a mesma coisa novamente, mas de maneira diferente, com palavras diferentes. E por todo o tempo o fenômeno permanecerá o mesmo. Que avanço foi feito? Eles simplesmente produziram volumes de livros..."


Mais uma vez uma acusação absurda, que nem vou perder tempo em responder. O caro leitor pode avaliar por si próprio a insensatez evidente. De acordo com ele, Einstein só colocou Newton de outra forma, que colocou Galileu de outra forma, e assim até o início dos tempos...

  • "...Há escassez de água na Índia atualmente, mas o que fazem os cientistas a respeito? Existe água mais que suficiente no mundo, então por que os cientistas não trazem água para onde ela é urgentemente necessária? Eles deveriam empregar a irrigação imediatamente..."

Desculpe-me, mestre, contudo o senhor mesmo não havia dito que a ciência não serve pra nada? Para que utilizar conhecimento científico para irrigar a Índia? Só gostaria de ressaltar que os cientistas, tão dedicados às suas pesquisas, geralmente não têm muito dinheiro, e esse projeto de irrigação é muito dispendioso, por isso consiste de alçada do governo. O senhor atribui uma potência aos cientistas que eles, absolutamente, não têm.

  • "...Há muitas coisas que eles não conhecem, mas ainda sim eles são denominados cientistas..."

O cientista admite que não sabe tudo, que não chegou à verdade absoluta. Porém, de acordo com seu conceito, caro mestre, o cientista teria que saber tudo. Se fosse assim, ninguém pode ser denominado 'cientista', inclusive o senhor, caro Swami.

  • "...Quando um macaco entra em confronto com um tigre, o macaco fecha os olhos, e o tigre ataca imediatamente. Da mesma forma, se os cientistas não podem resolver um problema, eles talvez pensem, "Tudo bem, deixemos isso continuar assim mesmo."..."

Discordo frontalmente de tal opinião. Julgo-a completamente injusta. Os cientistas despendem grandes esforços no sentido de explicar todos os fenômenos, como a busca da Teoria Unificada do Universo, persistentemente procurada pelos físicos.

  • "...Suponha que você conheça a causa do câncer. Qual será o benefício? Mesmo que você pudesse conter o câncer. Qual será o benefício? Mesmo que você pudesse conter o câncer, não poderia fazer um homem viver para sempre. Isso não é possível. Com câncer ou sem câncer, cada homem tem de morrer. Ele não pode evitar a morte..."

Então não devemos curar o câncer, pois vamos morrer de qualquer forma. É assim? Claro que gostaríamos de evitar a morte e os nossos esforços neste sentido não obtiveram sucesso, talvez por enquanto. Porém não vejo qualquer crime desejar melhorar a nossa qualidade de vida. Só porque não podemos acabar com a morte não podemos tentar elevar o padrão de vida? Sua sabedoria até agora não demonstrou curar nenhuma doença...

  • "...Os elementos químicos vêm da vida, e isso significa que a vida tem poderes místicos. Por exemplo, uma laranjeira contém muitas laranjas, e cada laranja contém elementos químicos – ácido cítrico e outros. Assim, de onde vieram esses elementos químicos? Obviamente eles vieram da vida dentro da árvore. Os cientistas estão omitindo a origem dos elementos químicos... Qualquer pessoa pode ver que uma árvore ordinária está produzindo muitos elementos químicos..."

Invoco mais uma vez o princípio: "Na Natureza, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma." A árvore, absolutamente, não cria elementos químicos. Ela apenas faz com que os compostos oriundos da terra e do ar se combinem de outra maneira. A energia necessária para induzir tal alteração ela obtém do Sol.

  • "...A diferença entre Deus e eu é que, embora eu tenha as mesmas potências que Deus, posso produzir somente uma pequena quantidade de substâncias químicas, ao passo que Ele pode produzir grandes quantidades..."

Eu criando substâncias químicas? Bem que gostaria, caro mestre, mas ressalto de novo tal impossibilidade na qual o senhor insiste. Nós apenas recombinamos os elementos químicos dos nossos alimentos. Se o senhor não desprezasse tanto a ciência, conheceria esta simples explicação.

  • "...o sêmen é produzido do sangue. Um homem tem poder místico em seu corpo para que, quando ele está sexualmente disposto, seu sangue se transforme em sêmen. Como isso é feito, a menos que haja algum poder místico envolvido? Existem muitos poderes místicos nas entidades vivas. A vaca se alimenta de grama e produz leite. Todo mundo sabe disso, mas você pode comer grama e produzir algum leite? Você pode? Portanto, existe poder místico dentro da vaca. Quando a vaca pasta a grama, ela pode transformá-la em leite... Portanto, você tem que aceitar a existência do poder místico..."

Este argumento para que eu aceite o poder místico demonstra pouca vitalidade atualmente. Na verdade, essas transformações que parecem inexplicáveis são facilmente explicadas pela química. Poder místico da vaca? Não, não devemos humanizar a natureza...

  • "...Deus não pode ser compreendido sem a aceitação do poder místico, mas se você entender Deus cientificamente, então entenderá tudo..."

Como posso entender Deus cientificamente? Provando-o somente. Como não podemos provar a existência de Deus de modo científico, não podemos entendê-lO cientificamente. Se o caro mestre interpreta que a sua forma de pensar é científica, sinto contradizê-lo, mas não o é.

  • "...Nossas conclusões não estão baseadas em fé cega; elas são as mais científicas. A matéria vem da vida. Na vida – a origem – existem ilimitados recursos materiais; este é o mistério da criação..."

A fé cega embutida na ciência? Não posso aceitar tal idéia, pois contradiz a própria concepção de ciência, que deve seus sucessos justamente às suas críticas às autoridades de qualquer espécie... Curiosa a identificação de conclusões baseadas na fé cega com as conclusões mais científicas.

  • "...O cientista diz, "Eu não posso aceitar a proposição de que todos os homens são mortais. Pode ser que haja alguns homens que são imortais. Eu ainda não vi todos os homens. Portanto como posso aceitar que o homem é mortal?" Isso se chama processo indutivo. E processo dedutivo significa que seu pai, seu professor ou seu guru diz que o homem é mortal, e você aceita isso..."

Concordo que a ciência realmente possui uma deficiência no que tange ao problema da indução por simples enumeração, mas que é em grande parte apenas aparência. Swami diz que o processo dedutivo é aceitar o que o guru diz, porém eu denomino este ato como 'fé cega' e não como 'processo dedutivo'.

  • "...Darwin e seus seguidores são patifes. Se originalmente não havia espécies superiores, por que elas existem agora? Também, por que as espécies inferiores ainda existem? Por exemplo, no momento atual vemos tanto a pessoa intelectual quanto o asno tolo. Por que ambas essas entidades vivas existem simultaneamente? Por que o asno não se desenvolveu até formas superiores e desapareceu? Por que nunca vemos um macaco dando à luz a um ser humano? A teoria de Darwin de que a vida começou em tal e tal era é tolice... Os cientistas que apóiam Darwin são idiotas. O Bhagavad-Gita diz claramente que todas as espécies existem simultaneamente..."


Vamos com calma responder a essas "críticas". Existem espécies superiores agora porque evoluíram dos seres primitivos, e interpreto este fato como evidência a favor da evolução. As espécies inferiores ainda existem porque não é toda uma espécie que se transforma em outra mais evoluída, geralmente apenas uma parte dela, que fica isolada geograficamente do resto. Não vemos os macacos dando origens a seres humanos porque a evolução é muito lenta, da ordem de milhares/milhões de anos. Eu já tinha ouvido tal argumento ridículo de umas pessoas muito pouco instruídas, mas jamais de um grande sábio indiano. A última frase, que se refere ao Bhagavad-Gita, mais uma vez demonstra os efeitos de se acreditar na verdade absoluta de um livro sagrado...

  • "...A consciência de Krishna não é um movimento religioso falso e sentimental. É um movimento científico destinado a aliviar o sofrimento humano..."

Infelizmente, não me convenci até o presente momento da veracidade desta afirmação, caro Swami.

  • "...Por que os cientistas não admitem a imperfeição dos seus sentidos? Eles têm de admitir, primeiro, a imperfeição de seus sentidos..."

A acusação realmente não procede. Os cientistas sempre partem do princípio de que toda medida possui um erro intrínseco(exceto talvez medidas por contagem), e por isso cada vez mais utilizam equipamentos para não ser necessário o elemento humano, pois quanto maior for a presença deste último, maior a probabilidade de erro na pesquisa.

  • "...No passado havia morte, e as pessoas agora estão morrendo. Então, o que fizeram os cientistas?...Os cientistas ajudaram a diminuir a duração de vida delas! Antigamente os homens viviam cem anos; agora eles raramente vivem sessenta ou setenta anos. E os cientistas descobriram a energia atômica; agora eles podem matar milhões de homens. Assim, eles os ajudaram somente a morrer. Eles não ajudaram a viver, e ainda assim ousam declarar que irão criar...Os cientistas não podem parar a morte, eles não podem parar o nascimento, eles não podem parar a doença e não podem parar a velhice. Então, o que eles fizeram? Antigamente as pessoas envelheciam e hoje envelhecem. Antigamente elas adoeciam, e agora adoecem. Agora existem mais medicamentos – e mais doenças. Então o que eles realizaram? Os cientistas não ajudaram a melhorar a ordem do mundo..."

Os cientistas não evitam a morte, mas esta não seria uma ambição muito grande para ser obtida em tão pouco tempo? Quero lembrar que a ciência como é conhecida atualmente é muito recente, data de trezentos anos. Ao contrário do que afirma o Swami, a ciência aumentou a duração média de vida da humanidade. E existem muitas doenças que são curadas e outras que já foram extintas. Os cientistas descobriram a energia atômica, e agora eles podem tanto matar milhões quanto salvar milhões com este conhecimento. O fato dos governos utilizarem-se às vezes do conhecimento científico para provocar tragédias não é culpa dos cientistas, sendo fato notório que cada vez mais a ciência está provocando mais bem do que mal à humanidade.

  • "...As pessoas geralmente sofrem, mas pensam que o sofrimento é prazer. Isso se chama maya , ou ilusão. Na América as pessoas trabalham arduamente, dia e noite, e pensam, "Eu estou desfrutando." Isto é maya . Uma alma condicionada não pode desfrutar nada; ela simplesmente sofre, mas pensa que está desfrutando..."


Não consigo compreender como alguém pode sofrer e ao mesmo tempo pensar que está desfrutando a vida. Já posso até vislumbrar um grande religioso responder-me, com um ar de superior, nestas palavras: "O Swami não se refere a tentações materiais, à dor física, mas aos sofrimentos espirituais". Porém o próprio Swami identifica o sofrimento com dor física em outro trecho: "...A verdadeira meta deveria ser parar o sofrimento... um homem velho sente muita dor, sofrendo de muitas doenças, e subitamente os médicos aumentam sua duração de vida. Qual é a vantagem?... Que eles acabem com a morte; isto sim seria uma conquista. Que eles acabem com a doença; ah! Isto seria uma conquista. Eles não podem fazer essas coisas!" . Portanto, desqualifico o argumento(engenhoso por sinal) do religioso.

  • "...Antes de mais nada, descubra se eles foram à Lua. Eu não tenho certeza disso. Há dezesseis anos, quando escrevi Fácil Viagem a Outros Planetas , assinalei que os cientistas eram infantis em suas tentativas de explorar o espaço exterior e nunca seriam bem sucedidos..."

Freqüentemente encontro-me na dúvida de quem é mais incrédulo, os cientistas ou os religiosos. Os cientistas são mais sinceros e imparciais em suas dúvidas, mas às vezes a incredulidade dos religiosos em certos fatos que não gostariam de aceitar supera a dos cientistas. Novamente cai a máscara do sábio, ao selecionar os fatos a serem merecedores de crédito...

  • "...Mas este 'erro' (referindo-se ao fenômeno da mutação, o motor criador da evolução) tem continuado desde tempos imemoriais, pois você observará que todas as variedades de entidades vivas sempre têm existido. Portanto, o 'erro' é eterno. Mas quando um 'erro' é permanente, ele não é um erro; é inteligência!... Este é o erro deles ! Não há erros na lei da natureza..."

Não identifico os adjetivos 'permanente' e 'inteligência', como o caro Prabhupada faz. Não vejo qualquer razão, por menor que seja, para que algo permanente seja inteligente. E a mutação não é um erro das "leis da natureza" e seria apenas uma manifestação das leis químicas.

  • "... Eles não podem vê-lO, mas eu posso vê-lO. Eu vejo Deus... Porque eles não podem vê-lO, eles devem vir a mim para que eu possa abrir seus olhos. Eles estão cegos – sofrendo de catarata – por isso vou operá-los, e eles verão..."

Se o senhor vê a Deus, deveria possuir muito mais sabedoria do que apresentou até aqui. Por isso, desculpe-me, mas tal declaração não merece crédito de minha parte, pelo menos.

  • "...Os ateus são patifes. Ensinemos aos outros – àqueles que são razoáveis. Tudo é feito por alguém; a areia é feita por alguém, a água é feita por alguém, e o céu é feito por alguém. Consciência de Krishna significa aprender quem é este alguém... Vocês têm de capacitar seus olhos para ver este alguém. Se vocês estão cegos, e não querem ir ao médico, como serão curados de sua cegueira para poder ver?...Você tem de se aproximar de uma pessoa que seja erudita. Você tem de procurar uma pessoa assim, um guru , e render-se a ele. Então faça-lhe perguntas, e quaisquer respostas que obtiver dele você deve aceitar. Este é o processo para entender Deus..."

Há pouco tempo, Swami Prabhupada criticou o método da indução utilizado na ciência. Contudo observe ele o utiliza agora. Tudo que ele viu tem um começo, logo tudo tem um começo, é feito por alguém. Que exemplo de indução melhor do que este? Um pouco de lógica é bom de vez em quando... Aceitar as respostas de um guru realmente não me atrai, pois não reconheço nenhum ser dotado de conhecimento de todas as coisas, por falta de evidências neste sentido. O Swami só reforça minhas convicções, obrigado!

  • "...Através de seu chamado avanço científico, os cientistas estão indo para o inferno. Mas eles não ouvem quando são advertidos disso; portanto são patifes... estão bravamente indo para o inferno e ponto final..."

Se os cientistas estão indo bravamente para o inferno, não sei. Todavia creio que o mestre Prabhupada não faz nada para "ajudá-los" a não irem para lá, pois seus argumentos, que poderiam convencê-los, não possuem fundamento.

  • "...Existem muitos planetas e estrelas invisíveis. Por exemplo, quando o planeta Rahu passa diante do Sol e da Lua, há um eclipse. Mas os cientistas descrevem o eclipse de maneira diferente. Na verdade, é o planeta Rahu que causa os eclipses. Há muitos pontos questionáveis a respeito da teoria moderna dos cientistas sobre o eclipse. A explicação deles é incorreta, segundo a informação védica..."


Que interessante, mais uma 'controvérsia científica'! Caro mestre, sinto dizer que sua teoria, além de não possuir qualquer embasamento em fatos, não pode basear-se num livro escrito há mais de três mil anos! Usando a lógica, sem apelar a experimentos, já observa-se a falácia deste argumento. Se o planeta Rahu é invisível, a luz o atravessa facilmente, sem haver reflexão. Ora, como pode um corpo com tal propriedade "tapar" a luz solar? Swami Prabhupada também afirma que há muitos pontos questionáveis a respeito da teoria dos eclipses, mas não nos fornece, infelizmente, nenhum.

        Existem outras afirmações no livro com as quais discordo, porém creio que consegui dar uma boa amostra do que é dito nele. A noção, ainda atualmente difundida, de que os indianos são "evoluídos espiritualmente", mais do que os ocidentais, não deve merecer crédito, como este texto demonstra...

**** ****

 Se você leu até aqui, assine o GuestBook

 

Trackback(0)
Comentarios (5)add
Prabhupada
escrito por Ajitananda dasa , 03 outubro 2007
Dear Prabhu,

Please accept my humble obeisances. All glories to Srila Prabhupada!

Would you be so kind as to see that the devotee in charge of your website receives the You Tube video link listed below? My hope is that if he/she likes the video, the link could be placed on your website for others to log onto. The You Tube video is my humble attempt to enlighten as many innocent souls as possible regarding the uniquely exalted position of Srila Prabhupada as a glorious pure devotee of Lord Krishna and our eternal savior.

The entire video comes in Part#1, Part#2, Part#3 and Part #4 on You Tube.

Thank you for taking the time to consider my request.

Your servant,

Ajitananda dasa

http://www.youtube.com/watch?v=O-c5hnc7BcU
report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
...
escrito por Luiza Nery , 06 março 2009
Sr.Aristarco,
contente com seu estudo e real interesse em desvendar a razão e o significado da literatura védica/vedanta, convido-lhe a aprofundar seus estudos sobre a mesma através de livros que dissertam especificamente sobre cada um dos temas por você questionados. "A Vida vem da Vida", como pôde perceber, é um livro que contem determinados trechos de conversas, encaixadas num determinado contexto, entre Prabhupada e pessoas já familiarizadas com os conceitos sobre os quais ele fala, portanto não demanda um maior detalhamento. Bondade,por exemplo, não pode ser vista pelo leitor, sob qualquer hipótese, como essa idéia vaga e sentimentalista difundida no ocidente: essa palavra é na verdade uma aproximação um pouco falha, como é de se esperar de uma tradução, da palavra sattva, que é um conceito certamente muito mais amplo do que o senhor imaginou ao mencionar o exemplo da àrvore. Se pesquisar nas fontes certas um pouco melhor sobre os modos da natureza, suas características e atuação, poderá vislumbrar a abrangência de tais idéias e quão interessantes essas são de fato.
Quanto a Srila Prabhupada, bem... Oriente e ocidente são mundos extremamente distintos que compartilham pouco além do mesmo globo, a forma de expressão não se inclue nessas restritas semelhanças. Indianos, por natureza, não costumam ser muito sofisticados na fala, tampouco enxergam linguagem rebuscada como sinônimo de genialidade, preferem priorizar uma fala objetiva, com conteúdo direto, o que implica em certa simplicidade mesmo.
Sem pieguice, mas por traz de cada uma das frases ditas pelo Swami, há a vivência da cultura milenar da ìndia, que ao contrário do que o senhor parece ter tido a impressão, não é infundada, como o senhor mesmo sabe, o fundamento são os Vedas, que a propósito são 4 livros, não 1.E se te amedronta o fato de ter conteúdo religioso, logo saberá que não necessariamente,na verdade mais de 75% é a respeito de outras questões, como saúde, arte, ciência... Inegavelmente, vai de encontro a todos os paradigmas estabelecidos do lado de cá do mundo, mas isso não é motivo para preconceitos. Garanto-lhe que para o estudante sincero e perspicaz ela não perde em nada para a dita ciência moderna.
O que Prabhupada nos transmite atraves de tudo o que diz é algo simples, mas uma grande sacada: a ciência, ao tentar explicar porquê os fenômenos naturais acontecem chega, no máximo,a resposta de como eles acontecem. Não que as informações obtidas por ela não procedam em algum grau, mas perdem muito ao desviar o foco da razão fundamental das coisas.
Para sanar suas dúvidas a melhor recomendação, se o interessar realmente, e é claro, se me permite, é o Bhagavad Gita Como Ele É, de Bhaktivedanta Swami Prabhupada, o "erudito e preceptor espiritual" em questão. Lendo-o com atenção e podendo consultar alguém já mais acostumado com os temas, tenho certeza que mesmo não concluindo que esse é o livro mais substancial com o qual você pode ter se deparado, suas impressôes serão mais positivas.
Grata pelo espaço e interesse no assunto, me despeço

report abuse
vote down
vote up
Votes: -1
...
escrito por Nanda-gopa dasa , 10 abril 2009
Aristarco, voce é um tolo!Procure saber o que é uma seita, e o que é ciencia! Após estares aprofundado, terei imenço praser em compartilhar com a sua inteligencia, a qual não é nada mediocre, as pessoas inteligentes costumam ser humildes por natureza, eu sou iletrado com muitos erros de portugues mas terei muito prazer em servi o senhor na escuridão da sua ignorancia sobre o conhecimento transcendental!

seu servo
Nanda-gopa dasa
HARE KRISHNA!
report abuse
vote down
vote up
Votes: -2
bom,
escrito por Vaikuntha prasada , 11 dezembro 2009
realmente, a minha analise sobre que tipo de poder é esta internet, e vejo cada vez mais como ela é um espelho desta sociedade.
nela depositamos nossas iddeias, argumentos, desejos ,anseios,taras, fobias enfim tantas coisas úteis e outras completamente inuteis.
e derrepente eu vindo de meu mundo de ideias e procuras me deparo com suas palavras soltas nestas nuvens virtuais de ideias...soltas no espaço mental do mundo.
acho legal que vc tenha atraido os livros ate seu mundo, pois é isto que fazemos com nossas indagações atraimos as respostas, e elas vem de várias maneiras as vezes não concordamos com elas.
então acredito que pelo fato de não concordarmos com ideias fora do nosso padrão aceitavel da realidade, não significa que seja o ideal sair e ofender aquilo que não nos agradou.
devemos compreender a fonte de nossos sofrimento como sendo apenas interna e apenas por que não sabemos certamente lidar com todas estas energias materiais.
mas eu acho que pela rapidez de suas conclusões, este assunto realmente não é saboroso ao seu paladar, e compreender o pensamento milenar sobre a ciÊncia do eu e do Eu Divino parece não ser o seu forte acadêmico, talves o socialismo seja mais a sua praia,ciÊncias políticas, filosofia...porque aqui tratamos de metafísica, a ciência do Eu eterno.
CLARO, prefiro acreditar que um dia nos encontraremos dançando feliz em um kirtana ou meditando em um Bhajana, e assim como agora, nos encontraremos assim por "acaso" e repassaremos toda esta situação e vc livre de ter que carregar o peso, de ter ofendido um Vaishnava (devoto de Deus)de coração puro, fará as pazes com seu destino seu Dharma( sua posição neste e no mundo eterno)pois é disto que esta Ciencia Divina trata, da nossa relação eterna com Deus.
Bom de minha parte, vou seguindo e desejando que vc possa entender agora não mais com a cabeça...mas sim agora com o coração.

dharma ksetre kuru-ksetre...
report abuse
vote down
vote up
Votes: -1
O Tolo Aristarco e sua patifaria
escrito por Dr.Clazildo Mello , 03 dezembro 2010
Aristarco D'Assell,

Notadamente voce é um grande .......... Como ousa desafiar um edudito da qualidade de Srila Prabhupada.
Seus tolos argumentos, revela bem a sua face de ......... e limitado candala.
Voce certamente é um desses ditos falso religiosos, que nem entedem uma unica palavra sagrada. Ousas até falar de ciencia, mais pelos seus ........... argumentos, com certeza voce é um iletrado completo.

Prof.Dr.Clazildo Mello - Citolgista Oncológico


______________
Nota da MPHP: Não liberamos comentários com ofensas pessoais.

report abuse
vote down
vote up
Votes: -1
Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

security image
Escreva os caracteres mostrados


busy
 
< Anterior   Seguinte >

Recomendar a MPHP

Fala para um amigo Seu nome:

Seu e-mail:

E-mail do seu amigo: