Peluso, Luis Alberto. A Filosofia de Karl Popper: epistemologia e racionalismo crítico PDF Imprimir E-mail
 Campinas: Papirus, 1995, 216 pp.

Julio Fontana

Luis Alberto Peluso é professor da Pontifícia Universidade Católica de Campinas desde 1988. Sua experiência como docente muito contribuiu para a elaboração deste livro, entretanto, sua freqüência nos Seminários do Department of Philosophy Logic and Scientific Method da London School of Economics, onde entrou em contato com a geração lakatosiana dos discípulos de Popper lhe deram a base teórica para a realização do projeto que agora passamos a examinar. O livro é composto de nove capítulos, nos quais, Peluso examina alguns dos principais pontos da filosofia popperiana. Muitos acham que Karl Popper não expôs um sistema filosófico completo. Nada mais equivocado. Os que não conhecem os seus trabalhos acham que ele é apenas um epistemólogo, contudo, nosso filósofo trata de todas as partes de um sistema filosófico: epistemologia, lógica, cosmologia, antropologia, ética, política e religião. Sobre esta última, fala pouco em face do seu agnosticismo. Os temas foram muito bem selecionados por Peluso e acho que eles podem passar ao leitor uma visão bem abrangente do pensamento popperiano.

Antes de iniciar a breve apresentação de cada capítulo, gostaria de examinar a seguinte  declaração feita por Peluso em seus agradecimentos:

Este livro foi iniciado em 1993 nos Seminários do Department of Philosophy Logic and Scientific Method da London School of Economics, onde entrei em contato com a geração lakatosiana dos discípulos de Popper. Foi preciso muito esforço para entender por que todos eram tão críticos do velho mestre.

Peluso não explica o motivo dessa posição crítica adotada pelos discípulos de Popper. Não sei explicar o motivo, entretanto, acho que se eles mantiveram uma posição crítica em relação ao velho mestre é porque foram incentivados a isso pelo próprio Popper. Conclui isso, após reler o quinto capítulo da obra Conjecturas e Refutações, "Retorno aos pré-socráticos", onde Popper, diz que se Anaximandro e Anaxímenes foram críticos a Tales, provavelmente é porque o próprio os estimulou a isso. Nas palavras de Popper:

"Gosto de imaginar Tales como o primeiro mestre a dizer a seus discípulos: ‘É assim que vejo as coisas - como creio que elas são. Procurem aperfeiçoar meus ensinamentos'."[1]

No primeiro capítulo de seu livro Peluso mostra um pouco da biografia de Popper, faz uma breve resenha das principais obras do filósofo e chama a atenção para o preconceito com que é visto o pensamento popperiano no Brasil, conforme editorial citado do jornal O Estado de São Paulo (01/09/79):   

... amplamente reconhecido no exterior, no Brasil Popper só é conhecido em círculos muito restritos. Por quê? Talvez por ter submetido a uma crítica rigorosa os fundamentos das ideologias marxista e hegeliana, que há longos anos exercem uma hegemonia em nossos meios intelectuais.

No segundo capítulo, Peluso expõe aquilo que Popper acha sobre a racionalidade do discurso filosófico. Esse capítulo é importante para retirar um idéia errônea que muitos sustentam sobre o critério de demarcação de Popper. Seu critério demarcador entre ciência e pseudo-ciência nada afirma sobre a significabilidade dos discursos. Para ele a ciência não é o único discurso detentor de significado. Na verdade, para ele a ciência parte do senso comum, ou seja, da metafísica, por isso, se considera um realista metafísico. Esse critério é muito simples de se entender: o que é científico é refutável pela experiência, o que não é científico é metafísico, portanto, goza da característica da irrefutabilidade.

No terceiro capítulo, Peluso mostra a crítica que Popper interpõe ao essencialismo. O essencialismo é a doutrina que diz que chegamos a verdade quando conhecemos a essência das coisas. Junto com o essencialismo andam as doutrinas da intuição intelectual defendidas pelos fenomenólogos. Popper aproveita e tece uma crítica ao nominalismo, principalmente na forma defendida por Wittgenstein. Esse capítulo é muito importante para os teólogos e cientistas da religião que se vêem atraídos por essas doutrinas essencialistas. 

No quarto capítulo, Peluso nos apresenta uma parte muito desconhecida do pensamento popperiano: o seu exame da metodologia das ciências sociais.[2] Afirma Popper que o método das ciências sociais não precisa ser diferente do utilizado pelas ciência naturais. Nosso filósofo também critíca a objetividade (ou imparcialidade) com que os sociólogos do conhecimento dizem contemplar seu objeto.

No quinto capítulo, Peluso toca num dos pontos principais da teoria do conhecimento de Popper, ou seja, como progride o conhecimento racional. Sua teoria é facilmente visualizada pela seguinte fórmula:

P1 - TT - EE - P2

Onde P1 é um problema inicial que serve como centelha ao homem para que esse se empenhe na sua solução. Caso não ocorra um problema, que na verdade, é uma frustração de um conhecimento anterior, o homem jamais buscaria o aumento de seu conhecimento. Após a aparição de um problema, elaboramos uma série de soluções (TT) e simultaneamente começamos a eliminar as teorias tentadas erradas (EE). Com isso surge um novo problema P2, dando recomeço ao processo descrito.

No sexto capítulo, Peluso expõe as críticas que Popper faz às epistemologias subjetivistas, ou seja, aquelas epistemologias que colocam a base do conhecimento sobre a intuição do eu, em outras palavras, restringem o conhecimento ao sujeito cognoscente e seus estados sensíveis, afetivos e volitivos e consideram que a realidade externa deve ser inferida dos estados mentais subjetivos. As principais epistemologias subjetivistas são as de Descartes, de Kant, de Husserl, e a de Merleau-Ponty. Popper defende a objetividade do conhecimento racional. Entretanto, faz isso sem desconsiderar o aspecto subjetivo do conhecimento. Assim, ele apresenta sua teoria que deixa de ser dualista para ser pluralista, ou seja, ele admite a existência de três mundos: mundo 1, mundo 2, mundo 3. O mundo 1 é o mundo das estruturas reais, o mundo 2, o das estruturas mentais e o mundo 3 o das estruturas abstratas. Importante destacar que o mundo 3 possui autonomia. Ele é o mundo dos conteúdos objetivos do pensamento científico, filosófico, poético e, ainda, das obras de arte.[3] 

No sétimo capítulo, Peluso mostra que para Popper não há existência real da história como o processo atual das coisas existentes no tempo. Nosso filósofo acredita que só existe história como teoria que explica certos eventos, isto é, sua posição implica a inexistência de um substrato ontológico para o termo "história", quando tomado no sentido de algo existente independentemente do mundo das interpretações humanas. Neste sentido só existem eventos particulares aos quais podemos reportar nossas interpretações, não existindo correspondente empírico para interpretações holísticas de séries ou seqüência geral de eventos. Ele argumenta que não existe história no sentido de história da humanidade. Só é possível a história como historiografia. Esse capítulo é de suma importância para os teólogos, pois a teoria popperiana vai de encontro a doutrina conhecida como história da salvação.

No oitavo capítulo, Peluso apresenta alguns aspectos da teoria do método construída por Popper para a história, no sentido de argumentar que ela implica uma interpretação engenharial do tipo conhecimento que é possível sobre o passado. Aqui Popper retoma aquilo que foi desenvolvido no quarto capítulo, mas com aplicação voltada para a história.

No último capítulo, Peluso expõe a crítica de Popper a dialética de Hegel. Nosso filósofo crítica a dialética em dois de seus correntes significados: como teoria da lógica e como interpretação geral do mundo. Esse capítulo é de fundamental importância para os teólogos em face da influência que a dialética tem sobre estes.

O pensamento popperiano é muito claro e coerente. Mas, por sua profundidade impossibilita-nos de elaborar um resumo que seja suficiente para levar o leitor a compreensão de tudo aquilo que ele tem para nos ensinar. O nosso objetivo aqui foi apenas apresentar os temas que foram desenvolvidos no livro de Peluso. Caso o leitor deseje aprender o que Karl Popper tem a lhe ensinar terá que ler seus mais de dez livros já traduzidos para o português. Alguns acham que o pensamento popperiano já está ultrapassado, todavia, o mercado editorial mostra o contrário. Ainda estão sendo traduzidas e publicadas obras de Karl Popper e no ano passado a editora Martins Fontes lançou o livro Em busca de um mundo melhor que vem a integrar o conjunto de obras de Popper que versam sobre epistemologia, ética e política. Os livros de Popper publicados pela Edições 70 de Portugal ainda estão sendo importados a fim de abastecer o público brasileiro. Nas universidades, cada vez mais, cresce o interesse pela filosofia de Popper, e os comentários sobre ele estão pipocando nas editoras nacionais, como é um exemplo, esse livro que acabamos de resenhar. O livro de Peluso é importante de ser lido e recomendo para alunos de graduação e pós-graduação de filosofia. Vale a pena também os teólogos darem uma olhada. Advirto, porém, como todo comentário, o do Peluso não esgota o assunto e, às vezes, apresenta um tópico breve demais para ser plenamente compreendido. É imprescindível a leitura direta das obras popperianas, sendo que aconselho a começarem pela sua Autobiografia Intelectual, depois pelo Conjecturas e Refutações e por fim seu Conhecimento Objetivo. Após a leitura desses três livros o leitor já compreenderá as principais linhas da filosofia popperiana.    


 


[1] POPPER, Karl. Conjecturas e Refutações, Brasília: Editora UNB, 2a edição, 1982, p. 175.

[2] Espero estar disponibilizando em breve aos leitores da revista eletrônica Ciberteologia uma exposição do método proposto por Popper para as ciências sociais, só que visando a aplicação pela Ciência da Religião.

[3] Para saber mais sobre a teoria dos mundos de Popper, ver POPPER, Karl. Conhecimento Objetivo: uma abordagem evolucionária, Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1999, pp. 41-107.

Trackback(0)
Comentarios (3)add
gostei da rsenha
escrito por valderiza , 04 setembro 2007
eu gostei demais desta pequena resenha, vou apresentar um trabalho hoje e ao ler esses comentarios eu estou mais certa do eu vou falar. julio fontana está de parabens pela sua clara e coerente resenha. Muito obrigada pela belissima resenha.
report abuse
vote down
vote up
Votes: +1
Outra indicação bibliográfca
escrito por andre oliveira , 06 setembro 2007
Gostei muito da resenha também, mas ouso discordar da indicação bibliográfica. Penso que, para iniciantes, no campo da filosofia política, o mais recomendável seria ler primeiro "A Sociedade Aberta e Seus Inimigos", editada no Brasil pela editora Itatiaia e disponível no submarino, e, no campo da epistemologia, "A Lógica da Pesquisa Científica", editada pela Cultrix. Quem ler essas obras (magnas) de Popper, já terá, por assim dizer, uma excelente "iniciação" ao seu pensamento epistemológico e filósofico-político.
report abuse
vote down
vote up
Votes: +0
A Lógica
escrito por Julio Fontana , 07 abril 2008
Olá. Desculpe-me, mas a Lógica da Pesquisa Científica jamais será obra de iniciação à epistemologia popperiana.
report abuse
vote down
vote up
Votes: +1
Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

security image
Escreva os caracteres mostrados


busy
 
< Anterior   Seguinte >

Recomendar a MPHP

Fala para um amigo Seu nome:

Seu e-mail:

E-mail do seu amigo: